Reunião aconteceu ontem na Secretaria Municipal de Saúde - Foto: AGORA MT
Reunião aconteceu ontem na Secretaria Municipal de Saúde – Foto: AGORA MT

A Secretaria de Saúde de Rondonópolis recebeu na noite de ontem (18), a comissão de projetos pedagógicos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com o objetivo de conhecer a real necessidade da instalação do curso de medicina em Rondonópolis.

A comissão era formada por Javert Melo Vieira, Pró-reitor do Campus UFMT de Rondonópolis, Joelcio Abade, professor da faculdade de Medicina da Unesp Botucatu-SP, Oscarina Ezequiel, representante da comissão dos cursos de medicina e professora da faculdade de Juiz de Fora-MG e o professor Antônio Marcos Amorim, diretor do curso de medicina da UFMT.

A comissão ouviu atentamente as explicações da Secretária de Saúde do município de Rondonópolis, Marildes Ferreira, que recebeu  com muito entusiasmo a notícia da chegada do curso de medicina na UFMT campus Rondonópolis, e que o prefeito já assinou o convênio para a chegada do curso, que é uma realidade na cidade.

Marildes fez um balanço de como está à situação em relação às contratações dos médicos em Rondonópolis. Segundo ela a cidade tem 205 mil habitantes e é uma referência em Saúde para 18 municípios da região Sul. Atende em torno de 510 mil pessoas ao todo, a cidade é considerada ‘entroncamento’ onde pessoas que passam pelo município também necessitam de atendimento o que acaba aumentando o número de espera nas filas. “Se tivéssemos mais médicos a situação estaria bem melhor disse a secretária”, diz.

Leia também:  'Gemidão' do WhatsApp interrompe sessão da Câmara em Votorantim

O grande foco da Secretaria hoje é atenção aos postos de saúde. Rondonópolis conta atualmente com sete unidades de saúde sem médicos, pois não tem disponível no mercado ficando difícil fechar a escala em várias unidades.

De acordo com a secretária, é preciso pensar neste curso com muito carinho e que se já tivesse instalado aqui na cidade algumas pessoas poderiam receber atendimento aqui mesmo sem necessidade de ter que pegar a rodovia BR-364 correndo perigo para poder ser atendido por um médico na capital.

Segundo o diretor do curso de medicina da UFMT , Antônio José de Amorim, algumas especialidades no momento não é viável vir para Rondonópolis pois alguns cursos iniciaram há pouco tempo em Cuiabá como Oftalmologistas e outros cursos, por isso vai demorar um pouco para formar mais profissionais em algumas  áreas. “Não só Rondonópolis, mas todo interior do estado está passando esse tipo de necessidades de novos médicos” avaliou o diretor.

Leia também:  Delação de Silval envolve Maggi, Wellington e Bezerra

Para o professor Joelcio Abade, é importante o município abrir o campo de estágio para os novos profissionais da saúde, pois serve para que os estagiários conheçam as suas dificuldades e passam a apreender, por isso há a necessidade do convenio entre o município e as instituições de nível superior.

De acordo com Joelcia, o papel da comissão em visita a Rondonópolis é ajudar a colaborar com o projeto pedagógico, entender o sistema de saúde do Município e estrutura da universidade dando assessoria e acompanhando o processo de implantação.

A professora Oscarina Ezequiel, diz que a maior preocupação na gestão é aliar um projeto pedagógico na formação do profissional que vai ter uma vivência na área da saúde, para se construir um bom profissional dando a oportunidade de estágio. “E para ter um bom médico é necessário dar uma oportunidade de trabalho”, fala.

Leia também:  Novo complexo para Politec é debatido em audiência pública

Para Javert Mello, é muito importante à vinda da comissão para olhar de perto o projeta da implantação do curso na cidade e que a primeira etapa das obras para o curso de medicina já está em andamento e deve ser entregue no final do ano.

Na manhã desta quarta-feira (19), a comissão irá realizar uma série de visitas em Rondonópolis, como vistorias das obras das salas para o curso de medicina na UFMT, Santa Casa e Hospital psiquiátrico Paulo de Tarso.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.