A Série D do Campeonato Brasileiro parece mesmo não ter iniciado de fato. Após a disputa das duas primeiras rodadas da competição, o Clube do Remo segue com chances de figurar entre os 40 clubes que brigam por uma vaga na Terceira Divisão do ano seguinte. Na tarde desta quarta-feira, dia 12, em entrevista exclusiva ao GLOBOESPORTE.COM, Valber Motta, advogado e torcedor do Leão responsável por uma ação contra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), confirmou que o Grupo A1 está paralisado e o Genus está de fora da competição.

Segundo Motta, após Raimundo Rodrigues Santana, Juiz de plantão da 10º Vara Cível de Ananindeua, ter mantido a ação, o documento foi até a 1º Vara, também de Ananindeua, onde teve sinal positivo e continuou sendo mantido por Antonio Jairo de Oliveira Cordeiro. Agora, a ação segue até o Rio de Janeiro, onde será entregue por Vanessa Egla, torcedora e advogada, à CBF.

Leia também:  Colorado perde e precisa reverter diferença de dois gols

– O caso está caminhando. Hoje pela parte da manhã recebemos a resposta do Dr. Antonio Jairo de Oliveira Cordeiro, representante da 1º Vara Cível de Ananindeua, mantendo a ação contra a CBF. Agora, a advogada Vanessa Egla irá até o Rio de Janeiro com a Carta Precatória, no caso, o documento que fará a CBF tomar conhecimento do caso e dentro de no máximo 15 dias teremos a resposta do porque o Remo foi excluído da competição. Enquanto isso, o Campeonato Brasileiro da Série D está paralisado e o Genus está fora da competição – afirmou o advogado.

Após a resposta da CBF, o caso promete ter mais alguns capítulos. Pelo que planeja Valber Mota, deve haver um novo julgamento na Comarca do Rio de Janeiro. Além de Valber Motta e Vanessa Egla, Wendell Figueiredo é mais um torcedor que moveu a ação.

Leia também:  União volta a campo precisando vencer o Dom Bosco

– Não sabemos o dia exato, mas, logo após a resposta, haverá um novo julgamento que decidirá o resultado final do nosso pedido.

Entenda o caso

Wendell de Souza Figueiredo, torcedor do Remo, conseguiu, no último sábado, uma liminar para suspender a partida entre Paragominas e Genus, válida pela segunda rodada do Brasileiro da Série D. O documento foi concedido pelo Juiz de Plantão, Raimundo Rodrigues Santana, na 10ª Vara Civil de Ananindeua. No entanto, a liminar não teria chegado até o local da partida, a Arena Verde, e o jogo acabou acontecendo. Por isso, o torcedor pretende recorrer e pedir o pagamento de multa dos clubes.

De acordo com a liminar, resumidamente, o Remo alegou que a Confederação Brasileira de Futebol descumpriu a Lei nº 10.671/2003, do Estatuto do Torcedor, mais precisamente os artigos 8º, II, 9º e 10. Ou seja, não divulgou a tabela e o regulamento com sessenta dias de antecedência ao início da competição.

Leia também:  Preparador de goleiros lembra o dia em que Neymar enfrentou o União

Além disso, segundo a liminar, a CBF descumpriu o regulamento elaborado pela própria entidade, pois houve duas alterações na tabela do Grupo A1, do Campeonato Nacional da Série D. A primeira resultante da inclusão do Clube de Futebol Vilhena, do estado de Rondônia, no dia 03.06.2013 (cinco dias antes da partida contra o Paragominas-PA). A segunda alteração foi a substituição do Clube de Futebol Vilhena pelo Clube Gênus, também de Rondônia, feita no dia 05.06.2013, dois três antes da partida.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.