Em algumas empresas é comum que os empregados sejam obrigados a cumprir uma jornada diária de trabalho superior a legalmente permitida, que é de 8h diárias. As horas excedentes devem ser pagas como hora extra, e não poderão exceder às 10h de trabalho por dia.

Havendo a necessidade que o empregado, eventualmente elasteça sua jornada de trabalho para além das 8h diárias, é devido a ele o recebimento ao fim do mês, do valor da hora trabalhada acrescido de, no mínimo 50%.

Contudo, alguns empregadores exploram demasiadamente o trabalhador, exigindo-lhe que cumpra jornadas de trabalho sobre humanas, havendo casos em que já foi exigido do empregado o cumprimento de 15h de trabalho em um só dia.

Leia também:  Posso devolver mercadoria e receber o dinheiro de volta; mito ou verdade? | Entendendo Direito

O excesso de horas trabalhadas constitue uma agressão física e psicológica ao trabalhador, que podem desencadear doenças físicas e mentais como a depressão.

A jornada de trabalho excessiva também impede a liberdade de escolha do trabalhador e compromete a realização de outros projetos, não permitindo que tenha uma vida normal, ou melhor, que tenha vida fora do ambiente de trabalho, já que lhe sobram poucas horas no dia para dedicar-se a qualquer outra atividade.

Cansado e deprimido, o empregado que é obrigado a trabalhar em excesso, abdica de atividades que desejaria realizar, como por exemplo, estar próximo a seus familiares, acompanhar o crescimento e desenvolvimento dos filhos participando de sua educação, visitar um familiar que está doente, manter uma atividade física ou religiosa ou matricular-se em um curso, suprimindo-lhe uma parte da vida.

Leia também:  Roubo a residência: como evitar | Entendendo Direito

Diante desse contexto, a Justiça tem entendido que o prejuízo suportado pelo trabalhador caracteríza um dano existencial, que ocorre quando o indivíduo, por um motivo injusto causado por outra pessoa, não conseque por em prática os planos que tem para a sua vida, lhe causando imensa frustração pessoal.

Por este motivo, o empregador poderá ter que pagar ao empregado não só o valor correspondente às horas extras trabalhadas, mas também uma indenização pelo dano sofrido, geralmente estabelecido em valores bem expressivos, com o objetivo de ressarcir o empregado e educar o empregador para que não continue a exploração de outros funcionários.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.