Depois de mostrar fotos “estudando para o jogo”, o ex-jogador Ronaldo estreou como comentarista da Globo fazendo observações previsíveis e banais no empate entre Brasil e Inglaterra por 2 a 2, no Maracanã. Classificou Neymar, cliente de sua empresa de marketing, como principal figura em campo, e teceu loas ao “padrão Fifa” do estádio reformado, no que caracterizou um elogio em causa própria, já que é embaixador e integrante no Conselho de Administração do Comitê Organizador da Copa do Mundo.

Ronaldo também não foi original ao fazer críticas ao técnico Felipão, lamentando a indefinição do esquema tático da seleção – algo que nove entre dez comentaristas têm dito.

Na volta ao Maracanã, seleção repete problemas, empata com a Inglaterra e mantém escrita
Com a camisa 10 da seleção, Neymar marca mais, tem lampejos e não brilha no Maracanã
Como era de se esperar, o novo comentarista foi objeto de todo tipo de bajulação por parte do narrador Galvão Bueno, mas ganhou uma “cornetada” por conta de sua suposta falta de sinceridade. Questionado pelo narrador logo no início da transmissão sobre o que havia achado da escalação do Brasil, Ronaldo elogiou as mudanças feitas por Felipão. Na volta, Galvão disse: “Senti ele um pouco titubeante. Não sei se ele concordou 100% com o Felipão”.

Leia também:  Dois jovens são mortos a tiro em estrada vicinal no MT

Ronaldo foi também personagem da transmissão da partida por conta de um detalhe não mencionado pelo narrador. A empresa PokerStars usou o jogo para promover o ex-jogador como novo garoto-propaganda nas placas laterais do campo — uma imagem que o espectador da Globo viu diversas vezes.

Tratado como “comentarista convidado”, Ronaldo elogiou o “timaço da Rede Globo” e disse: “Espero estar à altura. Prometo não ficar em cima do muro”. Só não ficou em relação ao técnico Felipão. Depois de ouvir que o técnico havia pedido que a grama do Maracanã ficasse mais alta do que o normal, para deixar o jogo mais cadenciado, lamentou: “Não faz diferença. Seleção brasileira, com a qualidade que tem, leva vantagem se o jogo for mais rápido”.

Leia também:  Casa pega fogo em Rondonópolis

“Estou gostando muito da movimentação da seleção brasileira”, elogiou no primeiro tempo. “Acho que só faltou o gol”, disse, repetindo um clichê clássico. Num lance de perigo da Ingleterra, no final do primeiro tempo, o comentarista viu impedimento, levando Arnaldo Cesar Coelho a discordar dele. No intervalo, o tira-teima mostrou que Arnaldo estava certo.

Disse que Neymar foi o “o principal jogador brasileiro”, mas observou que a seleção precisa se organizar melhor para o craque do Barcelona render mais. Neste momento, Casagrande fez um reparo, dizendo que a atuação de Neymar não estava “nada brilhante”.

Comentando o gol de Fred, que pegou um rebote do chute de Hernanes no travessão, Ronaldo lembrou que Felipão não gostava que os atacantes da seleção corressem atrás de rebote nos treinos, em 2002, mas que ele não respeitava a ordem. “Ainda bem que eu segui o meu instinto e não o dele”, disse, lembrando do primeiro gol na final da Copa, contra a Alemanha.

Leia também:  Executivo sofre derrota e vetos são derrubados
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.