Do caqui para azul petróleo. Do azul petróleo para cinza bandeirante. Essa é a evolução da cor do uniforme da Polícia Militar. Evolução que vai além da simples escolha de uma cor para padronizar a tropa. Foi feito um estudo cronológico da história e simbologia da Polícia Militar de Mato Grosso junto àqueles que lidam, cotidianamente, nos 141 municípios de Mato Grosso, em prol da segurança pública.

Esse processo de mudança do novo uniforme da Polícia Militar teve início em 2010. Desde então, uma comissão, composta por policiais oficiais das áreas de marketing, logística, financeira, pessoal e academia militar, começou um estudo para a escolha da melhor reformulação. A proposta era buscar um material que fosse confortável, compatível com as condições climáticas e territoriais, sem perder a originalidade da instituição.

Leia também:  Motorista atravessa sinalização durante perseguição policial e joga arma em cima de residência

Conforme pesquisa histórica, a Polícia Militar, nos anos 20, tinha uniforme similar ao do Exército Brasileiro. Na década de 30, surge o primeiro regulamento padronizando essas forças com a utilização de um uniforme, na cor “caqui”. As insígnias, que identificavam as patentes militares, eram simbolizadas por laços húngaros.

Ao longo de 30 anos, a Polícia Militar de Mato Grosso permaneceu com esse uniforme. A partir da década de 60, a instituição adota uma nova cor para padronizar a tropa – o azul petróleo, popularmente conhecido como “azulão”, com suas insígnias simbolizadas por estrelas. Foram quase 40 anos até optarem pelo “cinza bandeirante”.

De acordo com a comissão, para que atual mudança pudesse ser adotada sem comprometer o orçamento da instituição, foram analisados os dados macro-sociais, econômicos e culturais do Estado e da própria instituição. Com esse estudo foi verificado que o “cinza bandeirante” provocaria menor impacto visual, por ser a cor mais próxima do azul utilizado pela tropa na farda “passeio”.

Leia também:  Mata Grande | Ao demonstrar nervosismo, mulher é presa com droga escondida

FARDAMENTO

A troca do fardamento da instituição visa proporcionar mais conforto e harmonia ao cotidiano do policial. A entrega foi iniciada em maio e segue até 28 de junho deste ano.

Todo efetivo da PM, cerca de 7 mil policiais, receberá dois conjuntos operacionais, composto por gandola, calça, camiseta, cinto, cobertura (gorro) e coturno.

Para esse processo de reformulação do uniforme institucional da PM, o Governo do Estado investiu cerca de R$ 5 milhões, sendo R$ 2,5 milhões usados para aquisição do novo uniforme e outra metade para recomposição das fardas das demais unidades especializadas e apetrechos (capas e placas para coletes balísticos) para toda a tropa.

As aquisições feitas diretamente por policiais deverão ser realizadas somente em locais credenciados, com uso de um sistema biométrico de identificação, o que evitará a comercialização irregular e possíveis fraudes.

Leia também:  Vítima reage a assalto em comércio e homem é preso com a ajuda de populares

Segundo o comandante geral da PM, coronel Nerci Adriano Denardi, “toda a padronização do uniforme segue os critérios especificados no decreto nº 1.400/2012, que abrange as 72 composições de uniformes de todas as unidades policiais, inclusive as especializadas”.

A soldado Lucinete da Silva já recebeu os dois jogos de uniforme. Para ela, “a nova farda proporciona maior conforto, em virtude de ser uma cor mais clara, que absorve menos calor, principalmente quando o policial estiver em serviço operacional”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.