Presidente do Sispmur, Rubens Paulo - Foto: assessoria
Presidente do Sispmur, Rubens Paulo – Foto: assessoria

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rondonópolis (Sispmur), Rubens Paulo, afirmou que a discussão do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) dos servidores está atrasada e sem organização. De acordo com Rubens diferentemente da matéria divulgada pela assessoria de comunicação da prefeitura, ontem (25), ainda não há nenhum resultado sobre o PCCS.

“As discussões estão atrasadas, o processo começou e depois parou. O cronograma não está sendo obedecido. Após 20 dias que foi marcada uma reunião, onde o foco não foi PCCS, mas sim o recadastramento de servidor”, diz.

Rubens alegou também que o Sindicato está ficando fora das discussões e que apenas estão sendo informados sobre o que é decidido. “Inicialmente foi-se constituído uma comissão, eleita em assembleia, onde servidores foram escolhidos para representar as categorias nas reuniões e agora o Sindicato apenas foi informado que alguns dos eleitos foram destituídos da função de representar. Isso não pode ocorrer, é preciso à participação de todas as categorias”, fala.

Leia também:  Inscrição do Ensino Médio e Superior do IFMT Rondonópolis encerra dia 8 de outubro

O presidente do Sispmur disse que o PCCS não é feito em 30 dias e que por demandar de um longo período é necessário que as coisas caminhem. “Apoiamos a reformulação, contudo acreditamos que algumas coisas podem ser aproveitadas de modo que agilize todo esse processo que depois de pronto precisará ser aprovado em assembleia e depois pela Câmara de vereadores. Por enquanto, não vejo nenhum resultado nessa revisão”, explica Rubens.

ASSEMBLEIA

O Sispmur informa que a próxima assembleia será realizada em cinco de julho. Nesta quarta-feira (26), foi protocolado na prefeitura um pedido de audiência entre a Comissão de Negociação do Sispmur e o prefeito Percival Muniz para discutir sobre as reivindicações.

Leia também:  Santa Casa amanhece de portas fechadas

Entre elas estão à questão do reajuste salarial de 19%, a situação dos professores e supervisores que tiveram um prejuízo de 10%, já que o valor reajustado ficou abaixo da inflação e também a garantia do piso nacional da Educação que está 20.96% acima do que é pago em Rondonópolis.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.