Representantes da Associação estiveram ontem (17) na Câmara - Foto: assessoria
Representantes da Associação estiveram ontem (17) na Câmara – Foto: assessoria

A pedido do vereador Olímpio Alvis (PR) uma comissão recebeu os participantes da ASSUROO (Associação dos Surdos de Rondonópolis) durante a sessão ordinária na tarde desse dia 17. Eles falaram da luta que encampam há algum tempo para a inclusão dos surdos em toda a sociedade, entre as ações o pedido para que todas as escolas possam oferecer educação na língua de sinais aos surdos, e que especialmente, seja regularizado o terreno que foi cedido ao uso durante a gestão do ex-prefeito Ananias Filho.

A Lei Municipal 7.363 de 28 de junho de 2012 foi sancionada pela gestão anterior e dá concessão de direito real de uso à ASSUROO mas o encaminhamento ao cartório não foi feito. Segundo a Associação, o prefeito Percival Muniz e o secretário de Habitação e Urbanismo, Ildo Rodrigues, sinalizaram o indeferimento do pedido.

Leia também:  Prefeitos discutem alternativa para solucionar o caos na saúde

“Estamos todo tempo sendo colocados em segundo plano. Não vamos deixar para depois. Precisamos ser ouvidos e por isso estamos aqui” falou em tom de desabafo na língua de sinais, o presidente da Associação Adilson de Moraes.

O presidente Ibrahim Zaher (PSD) se comprometeu em agendar com o prefeito uma reunião com a associação. “Vemos a participação aqui da Câmara de todos vocês e por isso queremos nos unir para que essa situação se resolva o mais rápido possível”, comprometeu-se Zaher.

O líder do prefeito, Aristóteles Cadidé (PDT), que também participou da reunião, disse conhecer bem a realidade dos surdos pois tem um membro na família que tem essa necessidade. “Sei bem o quanto é necessário que exista um local de referência para os surdos”, afirmou.

Leia também:  Vereador reivindica ampliação dos serviços de entrega dos Correios

“Queremos nossa sede para que nós tenhamos um lugar para nos encontrar, nos capacitarmos, para praticar atividade física, atividades culturais. É um direito nosso”, defendeu Adilson de Moraes.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.