Mato Grosso recebeu pouco mais de R$ 5,5 milhões no primeiro semestre, em compensação financeira pela utilização de recursos hídricos para geração de energia elétrica. A redução foi de 0,75% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram contabilizados cerca de R$ 5,6 milhões. Somente no mês de maio, por exemplo, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aponta terem sido transferidos cerca de R$ 1,1 milhão.

Segundo a Aneel, Mato Grosso não recebeu royalties. O montante enviado para o Estado corresponde apenas à compensação financeira, destinada para Araputanga, Aripuanã, Barra do Bugres, Campo Novo do Parecis, Chapada dos Guimarães, Indiavaí, Itiquira, Jauru, Nova Brasilândia, Pontes e Lacerda, Tangará da Serra, Vale de São Domingos e Nova Maringá.

Leia também:  Aumento de despesas e queda de receitas ameaçam sustentabilidade dos Correios

A arrecadação no primeiro semestre a nível nacional, foi de R$ 433,3 milhões, incluindo os royalties (compensação devida pela Usina de Itaipu). Desse total, R$ 316,9 milhões foram distribuídos a título de compensação financeira por uso de recursos hídricos para a geração de energia elétrica e R$ 116,4 milhões em royalties.

Os valores foram arrecadados de 95 empresas pagadoras responsáveis por 178 usinas hidrelétricas e 188 reservatórios. Municípios ficam com 45% da arrecadação, enquanto outros 45% vão para os estados. O dinheiro pode ser aplicado em programas de saúde, educação e segurança, mas não pode ser usado para abater dívidas, a não ser que o credor seja a União, nem para o pagamento de pessoal.

Leia também:  Rondonópolis conta com mais de 10 mil inscrições no ENEM

A União recebe os 10% restantes, que são distribuídos à Agência Nacional de Águas, ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e aos ministérios do Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Amazônia Legal e Minas e Energia.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.