Máquina fazendo a demolição - Foto: assessoria
Máquina fazendo a demolição – Foto: assessoria

Famílias que viviam em barracos às margens do Córrego Queixada – no Jardim Liberdade e no Nova Era – conquistaram uma moradia digna no Residencial Dom Osório II e receberam a chave da casa própria no sábado (29). Os barracos erguidos em Área de Preservação Permanente – APP foram demolidos na manhã desta quinta-feira (4).

A ação que dá início ao projeto de recuperação da mata ciliar no local foi desenvolvida pelas equipes das secretarias de Meio Ambiente e Habitação e Urbanismo e da Coordenação da Defesa Civil. Do total de 12 casas, 10 foram demolidas. O coordenador da Defesa Civil no Município, Erimar Bezerra, conta que as duas restantes ainda não foram desocupadas.

Leia também:  Morro da Mesa Concessionária alerta em relação ao repasse de cédulas dilaceradas

O secretário de Meio Ambiente do Município, Lindomar Alves, já antecipou que as áreas desocupadas vão ser cercadas com madeira de doação e reflorestadas. O interesse é evitar novas ocupações e recuperar a mata ciliar que protege o leito d’água, além de refazer o ambiente que abriga, principalmente espécies de pássaros.

Erimar conta que a retirada das famílias ribeirinhas para residenciais com a infraestrutura adequada atende o Termo de Ajustamento de Conduta – TAC firmada pelas secretarias de Meio Ambiente e Habitação e Urbanismo e a Defesa Civil com a Promotoria do Meio Ambiente.

CADASTRO

O secretário de Habitação e Urbanismo, Ildo Rodrigues, enviou uma lista de 24 famílias ribeirinhas cadastradas para análise junto à Caixa Econômica Federal – CEF. Desse total, 12 foram aprovadas para o Dom Osório II e parte das demais continuam em análise. Outras já foram reprovadas. A Defesa Civil vai trabalhar agora para identificar outros moradores ribeirinhos e oferecer moradia digna a todos.

Leia também:  IFMT Rondonópolis abre vagas para professor de Inglês e Filosofia/Sociologia

Erimar anuncia que na segunda quinzena de julho vai começar a fazer um novo levantamento para cadastrar as famílias que continuam vivendo em barracos às margens de córregos e rios na zona urbana da cidade. A ação vai ser desenvolvida por um assistente social da Habitação, um fiscal do Meio Ambiente e um representante da Defesa Civil. A lista dos cadastrados deve ser encaminhada também para análise da Caixa, em Cuiabá.

A expectativa é conseguir contemplar a todos com moradia nos residenciais construídos para atender a demanda habitacional no município. O secretário Ildo Rodrigues fez o compromisso de reservar casa em cada residencial para atender aos ribeirinhos. Aquelas que deixarem de atender os requisitos do programa vão passar a depender de ação do Ministério Público.

Leia também:  Dois rondonopolitanos estão entre os 100 melhores do Crossfit mundial na categoria iniciantes

Além da cota em cada conjunto de casas, outras 360 famílias vão ser beneficiadas com moradia nos residenciais Padre Miguel e Maria Fiúca, construídos para atender aqueles que vão ser retirados das APPs.

 

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.