O acompanhamento da execução dos programas socioassistenciais nos 141 municípios mato-grossenses é uma das atribuições do Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas-MT).

Além do trabalho permanente realizado na sede da secretaria estadual, as equipes técnicas ligadas à Setas-MT também percorrem os municípios para verificar in loco a qualidade dos serviços prestados nas áreas da Proteção Social Básica e Proteção Social Especial.

O calendário das ações de Monitoramento dos Serviços Socioassistenciais tem início no próximo dia 3 de agosto, com a realização das primeiras visitas técnicas aos municípios mato-grossenses.

A primeira etapa do Monitoramento 2013 contemplará os municípios de Água Boa, Campinápolis, Nova Xavantina, Nova Nazaré, Cocalhinho, Canarana, Ribeirão Cascalheira e Querência.

Leia também:  Cerca de 24 mil presos são monitorados por tornozeleiras eletrônicas

Já no dia 12 de agosto, será promovida uma oficina técnica no município de Água Boa, na qual serão abordados os principais problemas detectados durante as visitas de monitoramento na região e apresentadas as possíveis soluções para cada irregularidade.

Na sequência, as equipes técnicas da Setas-MT seguem para outras regiões do Estado, para acompanhar os trabalhos executados nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) e Centros de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS).

De acordo com a secretária de Estado de Trabalho e Assistência Social, Roseli Barbosa, esse trabalho de monitoramento seguirá até o mês de dezembro, possibilitando, por meio de oficinas técnicas, o aperfeiçoamento dos serviços socioassistenciais prestados à população.

Leia também:  Galli pode aderir ao PEN e mudar quadro do PSC em Rondonópolis

“Nosso objetivo é aperfeiçoar o atendimento nos CRAS e CREAS, que são a porta de entrada para os usuários da assistência social, por meio da análise dos trabalhos já executados, troca de experiências entre os gestores públicos e realização de oficinas técnicas que subsidiem o reordenamento dos serviços socioassistenciais”, pontuou Roseli Barbosa.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.