A greve imposta pela categoria filiada ao sindicato dos profissionais de enfermagem (SINPEN), Rondonópolis, desde sexta-feira (5), tem gerado discrepância entre a classe dentro dos corredores dos hospitais.

Segundo uma fonte que trabalha no Hospital Regional (HR), a greve é valida, está autorizada em juízo e regulamentada para que 50% dos serviços sejam mantidos e 70% para atendimentos nas UTIs.

“Eu apoio, porque eles estão lutando para a melhoria de nossa classe, porém a demora da resolução deste impasse tem gerado um conflito entre os enfermeiros. Todos sabem que a ‘saúde’ que é oferecida nos hospitais não é a melhor e com o quadro reduzido fica pior ainda. Às vezes agente até se desentende devido à correria que fica nos corredores. Acho que nossa reivindicação deve ser atendida rapidamente pela administração, mas sem conflitos”, desabafou a fonte que não quis ter seu nome divulgado, por medo de sofrer represálias de ambas partes.

Leia também:  Sicredi pode ter a conta da Prefeitura

Na última quarta-feira (10), o delegado do SINPEN, Ivair Souza, procurou a reportagem do AGORA MT, dizendo que a classe estava sendo coagida pela administração dos hospitais. “Estamos sendo ameaçados de demissão por parte da administração dos hospitais, alguns profissionais estão com medo, e isso não pode acontecer”, falou.

SAIBA MAIS:

Em manifesto, enfermeiros dizem que estão sendo coagidos por hospitais

Em decorrência de greve, HR suspende atendimentos eletivos e afirma que salários estão acima da solicitação do sindicato

Sindicalista reforça que salários precisam de reajuste

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.