Um homem lança seu voto na casa eleições parlamentares superiores do Japão em um posto de votação em Tóquio, no domingo (21) local. (Foto: Itsuo Inouye/AP Photo)
Um homem lança seu voto na casa eleições parlamentares superiores do Japão em um posto de votação em Tóquio, no domingo (21) local. (Foto: Itsuo Inouye/AP Photo)

Os japoneses irão às urnas no domingo (21) em uma eleição que deve dar mais poder ao primeiro-ministro Shinzo Abe para impulsionar as necessárias medidas econômicas.

Metade das 242 cadeiras na Câmara Alta está em disputa, na que deve ser as últimas eleições nacionais em três anos.

Com índices de aprovação acima de 60% sete meses depois de se tornar primeiro-ministro nas eleições gerais, uma vitória do bloco do primeiro ministro é praticamente certa. O controle de ambas as câmaras removerá todos os obstáculos da agenda de Abe.

Os aliados dizem que isso dará a ele liberdade para forçar mudanças impopulares em uma economia com fraco desempenho há tempos.

Leia também:  Trump chega a Las Vegas para encontrar sobreviventes do maior ataque já ocorrido nos EUA

Entre estas medidas está a necessidade de reformar o mercado de trabalho para tornar mais fácil para as empresas contratar e demitir funcionários, participação em um enorme pacto de livre comércio e aumento da taxa de consumo, que os economistas dizem que ajudará a reduzir o ritmo de crescimento do já elevadíssimo débito nacoinal.

“Abenomics”
As reformas são a terceira etapa de um plano de política econômica conhecido como “Abenomics”, que já produziu um corte dos gastos do governo e injetou dinheiro do banco central na economia.

Contudo, os opositores de Abe dizem que a “Abenomics” é uma estratégia e que o premier voltará a sua agenda conservadora assim que tiver o controle de ambas as Câmaras do Parlamento.

Leia também:  Tufão faz desmoronar milhares de casas e deixa mais de 60 mortos no Vietnã

Eles temem que isso significará que o fim do comprometimento constitucional do Japão com o pacifismo, um estímulo ao militarismo e um tom mais agudo das relações com a China e a Coreia do Norte, já tensas, devido a disputas territoriais.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.