Poliana Okimoto e Ana Marcela trabalharam em equipe para garantir ao Brasil a primeira dobradinha na história dos Mundiais de Esportes Aquáticos. As nadadoras conquistaram ouro e prata, respectivamente, na maratona aquática em Barcelona.

Muita gente queria me aposentar, diz Poliana após conquistar ouro em mundial.

Para subirem ao pódio, primeiro as brasileiras mudaram estratégias pessoais. Poliana não costuma largar na frente para “puxar a fila” durante a competição. Ana Marcela também não consegue imprimir ritmo forte desde o início, é uma atleta mais de resistência –ganhou os 25 km em 2011.

Depois, as nadadoras fizeram trabalho em equipe durante o percurso no porto de Barcelona.

“Tracei uma estratégia com o meu técnico [e marido, Ricardo Cintra] que foi não ficar muito atrás. Nos últimos 500 m tudo pode acontecer”, afirmou Poliana.

Leia também:  Aberta as inscrições do Bolsa Atleta pelo Ministério do Esporte

“Então, quando vimos que estávamos as duas na frente, nadamos muito forte e fizemos uma espécie de parede, de bloqueio para que ninguém passassem por nós, o que já tentamos antes e não tinha funcionado.”

Ana Marcela também comentou a estratégia da dupla.

“Sabíamos que todo o pódio dos Jogos de Londres estava aqui, então tentei ficar na frente um pouco antes do que costumo. É claro que todo mundo quer ganhar a prova, mas chega um momento que temos que garantir o pódio. E foi isso que fizemos”, disse.

Poliana e Ana Marcela já haviam sido prata e bronze, respectivamente, nos 5 km. No Mundial de 2011, em Xangai, Ana Marcela ficou em 11º e não conseguiu se classificar para a Olimpíada de Londres. Em seguida, venceu os 25 km –ela busca o bi na madrugada de sábado.

Leia também:  Em competição em Cuiabá, estudantes de Rondonópolis se classificam para Jogos Brasileiros
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.