A classe médica de Mato Grosso paralisará as atividades no próximo dia 23. A medida integra calendário nacional da categoria que lançou o Movimento Médicos pela Saúde, em busca de mais investimentos do governo e garantia de condições para cuidar adequadamente da população. Também haverá paralisação nos dias 30 e 31 de julho.

A decisão ocorreu durante reunião entre entidades médicas e profissionais no último dia 16, na sede do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT). Atendimentos de urgência e emergência, bem como escalas de plantão, devem ser mantidos.

As paralisações também são um protesto contra as propostas do governo federal em importar médicos com diplomas estrangeiros sem a devida revalidação e contra os vetos da presidente Dilma Rouseff na Lei de Regulamentação da Medicina, conhecida como Lei do Ato Médico.

Leia também:  Justiça Comunitária oferta serviços gratuitos de cidadania neste sábado

“São medidas arbitrárias, que demonstram total desrespeito com os médicos brasileiros e também com a população. A nossa classe está unida e vai lutar para reverter esse quadro. Nosso maior objetivo é garantir que todo cidadão brasileiro tenha o seu direito de receber um atendimento digno, de qualidade e por profissionais capacitados”, destacou a presidente do CRM-MT, Dalva Alves das Neves.

As ações são organizadas pelo CRM-MT, Sindicato dos Médicos de Mato Grosso (Sindimed-MT), Associação Médica (AMMT) e Academia de Medicina. No Brasil, o calendário nacional é coordenado pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam), pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR), além das faculdades.

Leia também:  MPE denuncia estudante por homicídio triplamente qualificado e requer manutenção de prisão

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.