A Polícia Federal finalizou novos inquéritos envolvendo o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e seu grupo. As novas investigações devem gerar mais ações na Justiça movidas pelo Ministério Público Federal.

Cachoeira foi indiciado por lavagem de dinheiro e evasão de divisas, entre outros crimes. Os inquéritos são consequência da Operação Monte Carlo, que prendeu o empresário em fevereiro de 2012.

Esses oito inquéritos são investigações abertas pela PF a partir de elementos colhidos na operação anterior, mas que ainda não eram considerados suficientes para comprovar qualquer crime.
A base são documentos recolhidos, quebras de sigilo fiscal e gravações telefônicas com autorização da Justiça.

Uma das investigações, por exemplo, trata da compra de uma fazenda para, segundo a PF, lavagem de dinheiro.

Leia também:  Fies oferece 75 mil vagas para segundo semestre e inscrições seguem até sexta-feira

Outra investigação focou especificamente em operações de dólar cabo, para o envio de valores para o exterior. Esse tipo de operação é um meio de compensação entre doleiros e clientes utilizado para permitir a evasão de divisas e a lavagem de dinheiro por meio de câmbio legal.

Os relatórios foram encaminhados para o Ministério Público Federal, que decidirá se apresenta à Justiça novas denúncias contra Cachoeira e outras pessoas envolvidas nas investigações ou se arquiva os casos.

Segundo a Folha apurou, ao menos duas novas denúncias devem ser apresentadas: lavagem e evasão de divisas. Cachoeira e mais seis pessoas já foram condenados no processo principal decorrente da Operação Monte Carlo.

O empresário, por exemplo, foi condenado a mais de 39 anos de prisão por diversos crimes, como corrupção ativa, formação de quadrilha e peculato. Segundo a acusação, ele controlava um esquema centrado em jogo ilegal, mas que se expandiu para desvio de recursos públicos por meio de corrupção de agentes estatais.

Leia também:  Coordenadora é executada a tiros ao sair de estacionamento de escola

Cachoeira está solto, pois está recorrendo da sentença em liberdade.

O advogado de Cachoeira, Nabor Bulhões, disse não ter conhecimento sobre a existência de novas investigações. No caso do processo decorrente da Monte Carlo, Bulhões apresentou recursos sustentando nulidades, como irregularidades nas interceptações telefônicas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.