Acusado Roni Leite - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Acusado Roni Leite – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Depois da prisão de Roni Leite do Santos, 23 anos, feita pela Polícia Militar (PM) na tarde de ontem (30) em um sítio na Nova Galileia, próximo ao município de São José do Povo, Roni foi interrogado pela Inteligência da Polícia Judiciária Civil, ele confessou ter matado a aposentada Matilde dos Santos, 68 anos, e deu detalhes sobre o crime.

Segundo Gustavo Bolognesi Belão, delegado que investigou o caso, Roni saiu recentemente da penitenciária da Mata Grande, acusado de roubo, além disso, ele é usuário de todos os tipos de drogas e viciado em bebida.

CRIME
Ainda conforme o delegado Gustavo, na sexta-feira (28), ele teria feito um trabalho de servente e recebido como pagamento cerca de R$ 100 em dinheiro.

Leia também:  Após briga em bar, homem é assassinado a tiros em Primavera do Leste

“Ele disse que recebeu o dinheiro e logo em seguida usou tudo em drogas e pinga. No momento de alucinação ele se viu sem dinheiro e como estava próximo da residência da aposentada Matilde, viu a oportunidade de arrombar a casa para ver se conseguia furtar algo para consumir mais entorpecente”, falou.

Após arrombar a porta dos fundos, Roni encontrou com Matilde na porta do quarto dela, que teria levantado assustada com o barulho. Roni pegou uma faca na cozinha, empurrou a aposentada que caiu na cama e a esfaqueou com vários golpes na barriga e no peito.

Logo em seguida ele levantou, pegou cerca de R$ 130 em dinheiro e fugiu.

Roni afirmou que não sabia que a aposentada estava na residência, porém a PJC não acredita na fala do acusado já que ele era conhecido da vítima há muitos anos.

Leia também:  Força Tática age rápido e evita assalto ao Pátio Rondon
roni leite 3
Roni permaneceu toda a coletiva com o rosto tapado – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

AMEAÇA
De acordo com o delegado Gustavo, já em posse do dinheiro roubado da aposenta, Roni consumiu mais drogas. Ele teria comentado sobre o assassinato com algumas pessoas que após a fala o ameaçaram.

Na coletiva o comandante do 5° Batalhão de Polícia Militar, major Sandro Barbosa, afirmou que a família de Roni contribuiu na prisão do jovem. “Os familiares de Roni tentaram esconde-lo no início, achando que ele era vítima de ameaças, porém eles acreditavam que Roni estava sendo ameaçado por outro motivos e não por ter assassinado uma pessoa”, acrescentou.

ESTUPRO
Somente após o resultado do laudo médico será confirmado ou não se a aposentada sofreu abuso sexual. Roni não confessou ter abusado da vítima.

Leia também:  Marginais não perdoam: agridem e levam carro de vítima

RESULTADO
Na coletiva, Roni que permaneceu com o rosto tapado confirmou a fala da PM. Ele se disse arrependido.

“Estou ficando louco já, para de perguntar”, disse chorando Roni após algumas perguntas feitas por jornalistas direcionadas a ele.

Ele será enquadrado pelo crime de Latrocínio. A pena é de 20 a 30 anos de prisão.

LEIA MAIS: Jovem leva três tiros em conveniência

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.