O Ministério Público do Rio de Janeiro obteve liminar que determina a suspensão das vendas pela internet da rede de varejo Ricardo Eletro – Foto Ilustrativa
O Ministério Público do Rio de Janeiro obteve liminar que determina a suspensão das vendas pela internet da rede de varejo Ricardo Eletro – Foto Ilustrativa

O Ministério Público do Rio de Janeiro obteve liminar que determina a suspensão das vendas pela internet da rede de varejo Ricardo Eletro, até que a empresa entregue os produtos que já foram vendidos e que estão atrasados. A Justiça determinou também que a rede estabeleça um prazo para as entregas e cumpra-o. Caso deixe de obedecer a decisão, a empresa está sujeita a multa diária de R$ 100 mil.

O promotor Julio Machado requereu, ainda, que a Ricardo Eletro seja condenada a indenizar os consumidores pelos danos morais e materiais causados.

Em nota, a Ricardo Eletro informou que ainda não foi intimada pelo Ministério Público, e que “adotará as medidas cabíveis tão logo isso aconteça”.

Leia também:  Dia das Crianças: Comércio estima aumento de 100% nas vendas em Rondonópolis | TV Agora

A Ricardo Eletro também afirmou, por meio de comunicado, que a maior parte dos atrasos nas entregas se deve a “problemas como pedido de falência da transportadora, greves e paralisações”.

Para tanto, a empresa afirma que “vem fazendo um levantamento minucioso do status de todos os pedidos realizados no Rio de Janeiro para identificar eventuais falhas e solucioná-las o quanto antes”.

Na ação, o promotor de Justiça Julio Machado detalhou que a Ouvidoria do MP recebeu inúmeras reclamações de consumidores contra a rede. Ainda segundo o promotor, o site “Reclame aqui” registrou 22.818 denúncias sobre descumprimento de prazos da empresa, conduta que viola o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Também de acordo com a ação, após o descumprimento do primeiro prazo estabelecido, a empresa fixava outros que igualmente não eram respeitados. O consumidor ainda enfrentava dificuldade quando tentava cancelar a compra, observou Machado.

Leia também:  Brinquedos e roupas estão em alta na lista de presentes para o Dia das Crianças

A decisão foi obtida em ação civil pública proposta pela 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Capital.

A empresa afirma que respondeu “100% das queixas registradas no site”, mas que o site exige que o consumidor registre a solução de sua queixa para que ela seja considerada solucionada, “o que na maior parte das vezes não acontece”.

A rede informou que “está estruturando uma área de atendimento apenas para cuidar das queixas que chegam pelo Reclame Aqui, a fim de atender melhor seus clientes”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.