A Hipnoterapia Cognitiva é uma abordagem da psicologia fundamentada no conhecimento da Terapia Cognitivo-Comportamental (T.C.C.), e como coadjuvante, a Hipnose que é uma ferramenta de auxilio bem eficiente.

Em resumo, podemos entender a T.C.C. na seguinte perspectiva: via pensamento, que dispara uma sensação/sentimento/emoção e assim o comportamento, como o exemplo 1.

EX. 1: Ambiente-estímulo (local com várias pessoas)

 

Pensamento (Estão me olhando, tem algo de errado comigo, vou passar mal neste lugar com tanta gente!!)

Sensação/emoção/sentimento (Ansiedade, Medo, Timidez)

Comportamento/Resposta (Sair do local, isolar-se, evitar estes ambientes)

Muitos só percebem a sensação – agradável ou desagradável -, e na Psicoterapia, o profissional vai auxiliar em técnicas comportamentais para melhorar as sensações negativas, logo, a identificação do pensamento que foi disparado inicialmente (automático). Estas interpretações/pensamentos estão sujeitas a mudanças para que assim possam se sentir melhor. (BECK, 2005) Em alguns casos tais pensamentos manifestam-se muito inflexíveis, advindos de outros pensamentos (centrais), mais profundos, pois acionam sensações/emoções intensas, e pode levar mais tempo e técnica para ressignificá-los.  É neste momento que a hipnoterapia auxilia a flexibilidade de tais pensamentos. (SILBERFARB, 2011)

Leia também:  Nova modalidade de crime em condomínios inclui disfarces e documentos falsos

Infelizmente existem mitos no que tange a hipnose, devido à má utilização, como: “a pessoa perde a consciência; pessoas inteligentes não hipnotizam; faz mal a saúde; a pessoa pode não acordar e; entre vários outros”. Sabe-se hoje que é um processo de hiperconcentração, e isso acontece várias vezes durante nosso dia, por exemplo, lendo um livro, assistindo a uma TV, dirigindo, conversando. Nesta atenção extremamente focalizada, a percepção consciente de outros estímulos (sons, temperatura, cheiro) fica em segundo plano, como se não existissem.  Na hipnose contemporânea aproveita-se deste recurso natural, acrescentando a imaginação positiva, para que a prática seja suave e leve, no ritmo de cada pessoa, facilitando sensações de confiança e tranquilidade neste processo de treinamento e aprendizagem. (BAUER, 2009)

Leia também:  Sua história não é feita de boletos pagos, mas sim de experiências vividas

 

EX. 2: Ambiente-estímulo (local com várias pessoas)

 

Pensamento (Que bom, tanta gente diferente!)

Sensação/emoção/sentimento (Tranquilidade, satisfação)

Comportamento/Resposta (frequentar ambientes com várias pessoas)

Essa associação, da Terapia Cognitivo-Comportamental e Hipnose, redimensiona as imagens e pensamentos com um novo conteúdo, trazendo sensação de leveza, paz e confiança, congratulando as mudanças necessárias, como exemplo 2. (SILBERFARB, 2011)

 

Matheus Caixeta Dorneles

Psicólogo, formado pela Universidade Federal de Uberlândia-MG.

Pós-graduado em Acupuntura pela UNISAÚDE.

End. Av. Fernando Correia da Costa, 697. Vila Aurora

Tel.: 8132-2086 ou 8426-5277

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.