Foto: arquivo AGORAMT
Este foi o segundo melhor junho de toda a história do setor automotivo – Foto: arquivo AGORAMT

O país registrou recorde de vendas e de produção de automóveis novos, entre veículos leves, caminhões e ônibus, no primeiro semestre, informou hoje (4) a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A comercialização no mês de junho também foi recorde. “Foram vendidos 318,6 mil veículos novos, foi o segundo melhor junho de toda a história do setor automotivo”, destacou o presidente da associação, Luiz Maon Yakibu Junior.

No acumulado dos seis primeiros meses de 2013, 1,8 milhão de automóveis foram vendidos. O recorde anterior havia sido registrado em 2011, quando o setor licenciou 1,73 milhão de veículos. Já a produção de veículos no primeiro semestre deste ano totalizou 1,85 milhão de unidades, número que supera o recorde de 2011, quando o país produziu 1,737 milhão.

Leia também:  Decreto que buscava aniquilar reserva na Amazônia é suspenso pela Justiça Federal

Apesar do resultado expressivo, o presidente da Anfavea admitiu que a onda de manifestações pelo país refletiu negativamente nos resultados do setor no último mês. “Sem dúvida nenhuma, [os protestos] tiveram influência no nosso número de licenciamentos. Muito mais em função da dificuldade de acesso [de consumidores], tivemos uma redução bastante forte no fluxo de pessoas nas nossas concessionárias, principalmente nas grandes capitais, onde se concentraram as manifestações”, destacou.

Os protestos dos caminhoneiros que bloquearam importantes rodovias do país também afetaram a produção de veículos. Houve perda temporária de produção por falta de abastecimento de insumos. De acordo com Maon, quatro das associadas à Anfavea relataram paralisação de suas linhas por falta de peças automotivas.

Leia também:  Coordenadora é executada a tiros ao sair de estacionamento de escola

Outro balanço divulgado pela entidade foi o da comercialização de veículos flex. Foram licenciadas, desde o lançamento dos primeiros modelos, em 2003, 20 milhões de unidades. “O veículo flex nacional hoje é diferente do de qualquer outro lugar do mundo. Na minha visão, é muito mais tecnológico porque ele permite a mistura de gasolina e álcool em qualquer proporção. Em outros mercados que dizem que têm veículos flex, não existe essa possibilidade”, disse Maon.

Sem revelar detalhes, o presidente da Anfavea também informou que vai se reunir amanhã (5), às 15h, com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, com o objetivo de apresentar uma nova política a ser adotada pelo país, que desenvolva veículos ainda mais ecológicos. Ele disse que vai encaminhar ao governo uma proposta para estimular o uso de veículos elétricos e híbridos.

Leia também:  Mais de 300 Kg de carne imprópria para consumo é apreendida em MG
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.