Sofia Coppola apresenta 'The Bling Ring' em Cannes
Sofia Coppola apresenta ‘The Bling Ring’ em Cannes – Foto: reprodução

No momento em que escreveu a cena de abertura de “Bling Ring – A Gangue de Hollywood” , a diretora Sofia Coppola ouvia a barulhenta canção “Crown on the Ground”, da dupla norte-americana Sleigh Bells. Durante as filmagens do longa sobre uma turma de jovens que assaltava casas de celebridades, colocou a música para tocar no set e inspirar o elenco.
Como em todos os filmes da diretora, a música não é mero acessório em “Bling Ring”. Na carreira de Coppola, canções de artistas como Air, Jesus and Mary Chain e Strokes se transformaram em parte fundamenal da história – por vezes a melhor e mais clara expressão de personagens que dizem muito pouco.

Foram selecionados os melhores momentos musicais dos filmes de Copolla – do longa-metragem de estreia, “As Virgens Suicidas” (1999), a “Bling Ring”, que estreou nesta sexta-feira (16).

Leia também:  Ouro Branco | "Eu espero ser um cara conhecido pelo meu bom trabalho na música"

“As Virgens Suicidas” (1999): Marcou o início da parceria de Coppola com Brian Reitzell, que trabalharia como supervisor musical em vários de seus filmes. Reitzell serviu como ponte entre a diretora e o grupo francês Air, que foi sua principal trilha sonora durante o desenvolvimento do roteiro. É do Air a canção “Playground Love”, que toca em um dos momentos mais decisivos da história e ajuda a construir o clima melancólico e trágico que dá tom ao filme.

“Encontros e Desencontros” (2003): Com nova canção do Air (“Alone in Tokyo”) e várias do My Bloody Valentine, um dos preferidos de Coppola, a trilha sonora de “Encontros e Desencontros” reflete a solidão dos protagonistas: um ator decadente (Bill Murray) e uma jovem e entediada recém-casada (Scarlett Johansson) que se cruzam em Tóquio. Os momentos mais marcantes são ao som de “Just Like Honey”, do Jesus and Mary Chain, e “More Than This”, o hit do Roxy Music que ganhou versão cantada pelo próprio Murray durante cena em um karaokê.

Leia também:  Kayto de Oliveira | "A música me segue de geração a geração"

“Maria Antonieta” (2006): Ao contar a história da icônica rainha da França, Coppola se concentra em sua adolescência, quando se casou e assumiu o trono. Apesar da ambientação histórica, a diretora optou por uma trilha sonora totalmente fora de época, com muito new wave. Entre os destaques estão “Ceremony”, do New Order, e “I Want Candy”, do Bow Wow Wow, talvez a que melhor captura a vida de luxo e extravagância da jovem rainha.

“Um Lugar Qualquer” (2010): É o filme de Coppola com maior envolvimento do marido Thomas Mars, vocalista da banda francesa Phoenix – que tem músicas na trilha sonora, assim como Police e Foo Fighters. Duas cenas são especialmente comoventes ao mostrar a reaproximação de um ator de Hollywood e pai ausente (Stephen Dorff) e a filha adolescente (Elle Fanning): a que a menina patina no gelo ao som de “Cool”, de Gwen Stefani, e a tarde que os dois passam juntos com “I’ll Try Anything Once” do Strokes ao fundo.

“Bling Ring – A Gangue de Hollywood” (2013): A trilha sonora do filme mais recente é bem atual e inclui muito rap e hip hop. O objetivo era envolver o público com canções que os personagens ouviriam – cheias de energia e boas para dançar. Além de “Crown on the Ground”, ganham destaque “Bad Girls”, de M.I.A, e “212”, de Azealia Banks.

Leia também:  Justin Bieber cancela datas restantes da turnê mundial 'Purpose'
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.