Ex-campeão dos médios do UFC, Anderson Silva ainda terá muito a falar, estudar e pensar sobre Chris Weidman, seu primeiro algoz dentro da maior organização de MMA da atualidade. E o veterano revelou que até nos sonhos o norte-americano apareceu, depois do nocaute sofrido na edição 162, em Las Vegas.

Questionado se hoje o lutador teria medo de se encontrar com Weidman, se rolaria um “arrepio” ao vê-lo, Anderson negou e disse: “Tive uns pesadelos com o Weidman, mas não tenho medo não. Ele é determinado, mas é normal, tem dois braços e duas pernas como eu”, afirmou ele, em entrevista ao programa Pânico, na rádio Jovem Pan.

Entre outros assuntos, Anderson voltou a falar em uma superluta com o canadense Georges St-Pierre. Um dos apresentadores falou do estilo “amarrão” do campeão dos meio-médios, e o Spider fez uma comparação com o mundo da Fórmula 1.

Leia também:  Times de Mato Grosso vão mal na rodada de final de semana

“O GSP é um cara que jhoga na regra, ele não se arrisca muito. Pode ser que nossa luta aconteceça, ou que não… Ele declarou que não quer, sei lá. Eu vou treinar e manter meu foco pro dia 28. Ele é parecido com aquele algoz do Senna. Eles corriam na mesma época e um se arriscava e o outro era mais técnico. Ele (GSP) é o Alian Prost do UFC.”

Chuck Norris nos treinos?

Anderson também falou sobre a presença de Steven Seagal em alguns treinos e desmentiu que seja um golpe de marketing. Para a revanche, brincou: “Agora vou trazer o Chuck Norris. Vou trazer os dois, Chuck Norris e Steven Seagal”.

Leia também:  União, mesmo com derrota, avança e joga de novo contra o Dom Bosco

Outra provocação foi com os arquirrivais Vitor Belfort e Chael Sonnen. Questionado se estivesse em mar aberto, durante um naufrágio e só pudesse jogar uma boia para salvar um dos dois, ele deu risada: “Eu ia jogar o colete na água e falar: ‘se vira nos 30′”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.