De visual repaginado, o Circuito Brasileiro de vôlei de praia chega à temporada 2013/2014 com mudanças na dinâmica do campeonato, que tem pontapé inicial em Recife (PE), no próximo dia 29. Além de novos uniformes e alterações no formato das arenas, a 23ª edição terá nove etapas – cinco este ano e o restante em 2014 – e será encerrada por uma disputa extra, batizada de Super Praia.

Para Tadeu Saad, superintendente de vôlei de praia da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), o novo esquema vai despertar ainda mais o interesse dos jogadores e aumentar o nível técnico do torneio.

– Tenho certeza que o novo formato vai ter um resultado muito positivo. Esse é o nosso caminho até 2016. Estamos em constante aperfeiçoamento, para não ficarmos presos a uma fórmula muito restrita, e decidimos fazer mudanças no formato das disputas, nas arenas que receberão os jogos e nos uniformes. Tudo para fazer o Circuito ficar ainda mais atrativo para os jogadores e para o público – avaliou Tadeu.
As nove etapas do Circuito Brasileiro serão disputadas em cidades do litoral e definirão as duplas campeãs. Os cinco primeiros do ranking nacional e três duplas convidadas pela CBV participarão da Super Praia. A novidade terá três dias de confrontos em Salvador (BA), com dois grupos de quatro equipes em cada naipe. Todas as duplas se enfrentarão entre si, e os dois mais bem colocados de cada grupo se classificam para as semifinais. Os jogos da decisão serão disputados no domingo.

Leia também:  Público reage e evita prejuízo para o União

– A Super Praia é um atrativo a mais, que vai mexer bastante com o Circuito. Como será disputada no final da temporada, as duplas já estarão mais niveladas, e o público poderá conferir um campeonato de altíssimo desempenho. Com certeza, quero fazer parte desse grupo. Os jogadores estarão mais motivados e todos vão se esforçar bastante para fazer parte dessa elite do vôlei de praia nacional – definiu o campeão olímpico Emanuel, que jogará ao lado do novato Evandro, vencedor do título do Grand Slam de Berlim, no último fim de semana, com Vitor Felipe.
Até a última temporada, o torneio Nacional classificava os finalistas de cada naipe para o Open, que reúne a elite da modalidade

Leia também:  Judoca brasileira vence adversária com 11 segundos e se torna a bicampeã mundial

A partir desta edição haverá um ranking unificado das duas competições. Com a pontuação mais alta do Nacional, a intenção da CBV é que ocorram diversas trocas de colocações entre as duplas ao longo da temporada. No masculino, os 12 primeiros colocados do ranking geral disputam automaticamente o próximo Open, além de quatro duplas convidadas pela CBV. No feminino, nove duplas do ranking se juntam a três convidadas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.