Sem lutar desde junho, quando venceu Rodrigo Minotauro com uma chave de braço no duelo entre os treinadores do TUF Brasil 2, Fabricio Werdum ainda espera sua chance ao cinturão dos pesos-pesados do UFC. Na época, o gaúcho foi confirmado por Dana White como próximo desafiante ao título e sabia que teria de esperar até 2014 para a disputa, pois o campeão Cain Velásquez colocaria seu cinturão à prova novamente antes que ele pudesse voltar ao octógono.

Cain tem duelo marcado contra Junior Cigano no dia 19 de outubro em Houston, nos EUA e, justamente por isso, Werdum chegou até a cogitar um duelo contra o ex-campeão do Strikeforce, Daniel Cormier, enquanto aguardava a chance ao título. O combate, no entanto, foi por água abaixo depois que Cormier e Roy Nelson decidiram, pelo Twitter, selar um acordo para se enfrentarem.

– Eu fiquei um pouco surpreso quando anunciaram essa luta do Cormier e do Roy Nelson porque chegou a se cogitar uma luta entre o Cormier e eu. Ele é o segundo e eu o terceiro do ranking dos pesados do UFC, então era mais provável que essa fosse a minha próxima luta. Mas não aconteceu e é por isso que eu acho que agora eu posso ter essa oportunidade pelo cinturão, que eu estou há tanto tempo esperando – declara Werdum.

Leia também:  União estreia com derrota diante do Dom Bosco no Luthero

– É a luta da minha vida, então se eu tiver que esperar um pouco mais e ficar um tempo sem lutar eu vou esperar. Não tem problema nenhum. Eu penso só que eu vou ter mais tempo para treinar, para ficar mais forte e melhor fisicamente, que vou ter bastante tempo para estar bem e lutar 100%. Eu  estou com essa ideia de esperar, mas ninguém me falou nada, ninguém chegou a comentar nada sobre isso. O UFC não me falou nada. É algo que eu botei na minha cabeça, que eu joguei para o universo, mas não tem nada confirmado. Eu acho que vai acontecer isso mesmo, que eu vou acabar esperando pelo vencedor, mas não tem uma confirmação do UFC.

Werdum também afirma que vai acatar ao que o UFC determinar, mesmo que isso signifique uma nova luta antes do duelo pelo cinturão:

– Eu não tenho como pedir nem comunicar. É o UFC que fala o que você vai fazer. Então eu estou esperando uma resposta se eu vou ter uma luta antes ou se vou ter essa oportunidade mesmo pelo cinturão. Eu espero que dê certo. Eu já calculei tudo. Eles (Velásquez e Cigano) vão lutar dia 19 de outubro. Eu penso que eu lutaria pelo título mais ou menos em fevereiro, que seria uma boa data, perto do Super Bowl, não sei. Acho que seria em fevereiro ou marco.

Leia também:  Apresentador passa mal "ao vivo" em Lucas do Rio Verde

Velásquez x Cigano 3

Enquanto aguarda a definição de seu futuro dentro do octógono, o brasileiro continua como comentarista nas trasmissões de TV do canal latino do UFC.

– Eu faço esse trabalho paralelo com o UFC já faz um ano e meio e também sou embaixador do UFC na América Latina. Eu acabei de voltar da Colômbia, estava lá ajudando a divulgar o esporte. Dá trabalho, mas é muito gratificante, principalmente pelo contato com os fãs e pelos elogios que eu tenho recebido no Twitter – explicou.

Como comentarista, Fabricio acompanha de perto todas as lutas de Cain Velásquez por causa das transmissões ao vivo. Colocando a segunda profissão em prática, ele arriscou o seu palpite para o terceiro duelo entre o campeão e o brasileiro Junior dos Santos:

– Na minha opinião, como a gente já viu, o Cigano pode nocautear no primeiro round, porque se ele acertar a mão boa ele consegue nocautear como da outra vez. E é o mais provável de se acontecer né, ainda mais por se tratar de um duelo de pesos-pesados. Mas, se passar do primeiro ou segundo round, eu acho que o Velásquez ganha, como da última vez, por pontos. Até porque ele bota um ritmo de luta muito bom.

Leia também:  Times de Mato Grosso vão mal na rodada de final de semana

Questionado sobre qual seria a sua preferência pessoal e quem gostaria de enfrentar pelo título, Werdum foi sincero e reafirmou o desejo de voltar a encarar Cigano:

– Claro que eu gostaria de fazer essa revanche contra o Cigano, né? Seria o ápice da minha carreira poder lutar pelo cinturão contra ele. Eu nunca fui finalizado na minha carreira, e a única derrota em que eu fui nocauteado foi contra o Cigano. Eu já tinha visualizado um dia poder fazer essa grande revanche para as pessoas verem que o mundo dá voltas. E eu acho que pode acontecer e está bem perto de acontecer e pelo cinturão. E contra o Velásquez seria uma luta mais vista pelo mundo todo. Claro que a luta contra o Cigano também seria vista, mas eu contra o Velásquez acho que venderia mais. Até porque o Velásquez chama muito público e eu agora estou divulgando o UFC nas comunidades latinas. É um público novo, que está reconhecendo muito o esporte, então eu acho que é uma luta que venderia bem. Tem por um lado  isso. Iimagina ganhar a revanche contra o Cigano e ganhar o cinturão ainda? Aí eu vou até pensar em ficar só como comentarista (risos). Se eu ganho do Velásquez, aí continuo lutando e sendo comentarista. Tenho essas duas opções (risos) – finalizou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.