Diante da requisição do prefeito Percival Muniz e do secretário de Infraestrutura do município, Argemiro Ferreira, diretores da empreiteira Objetiva Engenharia e Construções LTDA estiveram presentes no Paço Municipal nesta semana e oficializaram novos prazos de entrega de obras consideradas pontuais dentro do projeto dos 13,4 km da Travessia Urbana de Rondonópolis.

Segundo o ofício, datado de 20 de agosto de 2013, a passagem inferior que ligará a Vila Mamed com a Vila Boa Esperança será totalmente finalizada em drenagem e pavimentação até o dia 31 do atual mês. A mesma data foi fixada para a instalação da segunda capa asfáltica no trecho de duplicação do trajeto da entrada do Anel Viário até o posto da Polícia Rodoviária Federal- PRF.

Leia também:  Recursos Federais | 80 milhões são anunciados para Rondonópolis

As duas obras foram identificadas pelo prefeito e pela equipe técnica da prefeitura como sendo de primordial importância e a partir de então tratadas como emergenciais, tanto pelo Município como pela própria Objetiva. O prazo do fim do mês de agosto já havia sido sinalizado pelo sócio-proprietário da executora, o engenheiro Francisco de Sales Henriques, o Chico. O secretário Argemiro, no entanto, solicitou formalidade por parte da empresa.

“Achamos por bem ter um documento sobre isso, porque senão fica uma situação imprecisa para ambos os lados e o prefeito, por exemplo, precisa estar embasado de todas as informações de maneira concreta, até para passar à população e aos órgãos de imprensa”, explicou Argemiro.

Leia também:  Mais de 90% dos imóveis pagam taxa mínima do lixo

No cronograma documentado, a Objetiva ainda detalha que apesar de entregar as obras até o dia 31, os trechos só serão liberados para uso dos condutores no dia 1º de setembro. Ainda como justificativa, a direção da empresa argumentou que atrasos no carregamento de cimento asfáltico de petróleo com polímero, em sua fornecedora em Betim – MG, atrasou a fabricação do CBUQ que será instalado na duplicação. Já quanto a passagem inferior, os maiores problemas foram encontrados na drenagem que passa na porta de entrada do minitúnel, onde rochas e em outro local uma grande quantidade de água foram encontrados no solo, o que dificultou o andamento do serviço, segundo a empreiteira.

Ainda no mesmo ofício, a Objetiva, também responsável pelas obras do viaduto da Médici, esclareceu sobre a liberação da última alça do projeto, que daria a opção ao motorista de sair da avenida e já ter acesso facilitado à BR 364, sentido Cuiabá. Apesar de não ser um convênio com o Município e sim com a Secretaria de Estado de Transportes e Pavimentação Urbana – SETPU, a empresa atendeu ao pedido do Município, já que o entrave daquela situação interfere no trânsito das ruas internas da cidade. Esta situação também será revolvida até o fim do mês, segundo a executora. Neste caso, o atraso se deu, de acordo o relatado no documento, porque houve uma priorização do CBUQ para a Travessia Urbana.

Leia também:  Falta de água nos bairros da região do Jardim Atlântico
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.