Rúcula, cenoura, batata, mandioca, chuchu, alface, mamão, banana, maçã, pera… A variedade de frutas, legumes e verduras que o nosso país oferece é enorme. E uma pesquisa acaba de mostrar que aproveitar essa abundância na alimentação do seu bebê pode ajudar a prevenir alergias alimentares no futuro.

Cientistas da Universidade de Southampton, no Reino Unido, analisaram o diário alimentar de 1.140 bebês e perceberam que aqueles que tiveram uma dieta rica em alimentos naturais, preparados em casa, tiveram menos chance de desenvolver alergias alimentares até os 2 anos do que aqueles que comiam produtos industrializados.

Um dos motivos, segundo a nutricionista Kate Grimshaw, que coordenou o estudo, é a presença de vitamina C, betacaroteno, folato e oligossacarídeos nos alimentos frescos, como brócolis, espinafre, cenoura, rúcula, batata, mandioca, abóbora, manga, mamão, beterraba. Esses nutrientes aumentam a imunidade do organismo enquanto os alimentos industrializados, cheios de aditivos, podem sensibilizar as crianças.

PAPINHA PERFEITA

Na hora de preparar a papinha do seu filho, é sempre melhor que ela seja feita na hora e oferecida ainda fresquinha, como mostrou o estudo. Mas, se você não tiver tempo de cozinhar todos os dias, pode preparar no fim de semana. Faça três tipos de papa para não repetir a mesma em refeições consecutivas. Espere esfriar e depois coloque-a em potinhos. Cole um adesivo com a data e os ingredientes usados, assim você consegue variar o cardápio. Ela pode ser mantida congelada por até 30 dias. Para descongelar, retire a papa do congelador e coloque na geladeira. Quando descongelar, esquente a comida no fogão, em banho-maria, para aquecê-la por igual.

Leia também:  Calcanhar de maracujá: o que é essa doença

Lembre-se de que ela precisa ter, no mínimo, duas fontes de alimentos reguladores (legumes e verduras), uma de alimentos energéticos (carboidratos, como arroz, macarrão, mandioca e batata) e uma de construtores (carnes). Não se esqueça de usar temperos. As papinhas salgadas podem ter cebola, alho e azeite. As ervas, como salsinha, cebolinha, salsão, manjericão, orégano podem ser colocadas, mas em pequena quantidade, para não comprometer o sabor natural da refeição. Se for usar sal, coloque só uma pitadinha.

Além disso, é importante que seu bebê aprenda a reconhecer a diferença entre as texturas e os sabores dos alimentos, por isso, não bata a papa no liquidificador. O melhor é sempre amassar com o garfo para que a criança desenvolva a mastigação. A papinha industrializada não está totalmente proibida, mas ela deve ser exceção no cardápio do seu filho.

AMAMENTAÇÃO

“Mais importante do que oferecer os alimentos frescos, no entanto, é o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida, como recomenda a Organização Mundial de Saúde”, diz o pediatra Marcelo Reibscheid, do Hospital e Maternidade São Luiz (SP). É por meio da amamentação que a criança adquire anticorpos e células de defesa da mãe.

Leia também:  Azeite só faz bem na salada?

Mas se você não conseguir amamentar, não se desespere. O pediatra e nutrólogo Ary Lopes Cardoso, do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas (SP) aconselha que, nesses casos, você ofereça fórmulas infantis com prebióticos, um tipo de componente que estimula a produção das bactérias boas do organismo, o que aumenta as defesas contra alergias e infecções.

Um erro comum dos pais é adiar a apresentação de alimentos potencialmente alergênicos aos filhos, como ovos e peixe. Isso pode causar o efeito contrário e favorecer alergias. “O organismo necessita da exposição a esses itens para desenvolver tolerância alimentar. Portanto, crianças cujos pais não apresentam alergia a nenhum tipo de alimento, devem consumi-los no primeiro ano de vida”, ensina a pediatra e alergista Renata Cocco, da Unifesp. Se houver algum caso de alergia alimentar na família, você deve esperar a orientação do pediatra sobre a introdução do alimento que causa o problema.

DÁ PARA PREVINIR

Infelizmente, não dá para garantir que seu filho nunca vai ter uma alergia, independentemente do tipo– alimentar, de pele ou respiratória. É importante saber que toda criança tem 20% de chance de se tornar alérgica. Se um dos pais tiver o problema, essa probabilidade sobe para 40%, e, se ambos forem, o risco é de até 80%. Mas a genética não está sozinha. Algumas mudanças de comportamento e do ambiente, como poluição e estresse, interferem na regulação da defesa do organismo. Ainda assim, há maneiras de você protegê-lo, sim. A primeira delas, como você viu, é a amamentação exclusiva até o sexto mês e, como também alertou o estudo, evite oferecer alimentos industrializados ao seu filho até os 2 anos.

Leia também:  Uma gordura que faz bem para o cérebro

Também é importante deixar seu filho se sujar sem neuras. Vários estudos apontam o excesso de higiene como um dos principais culpados pelo aumento das alergias. É simples. Se não tiver contato com as substâncias, o organismo do bebê não vai aprender a se defender contra elas e isso pode causar alergia.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.