Muitos mitos cercam a enxaqueca. O maior deles é que não existe tratamento para o problema, que se deve aprender a conviver com ela. Outro é que enxaqueca se trata com analgésicos, ou seja, sintomáticos, somente no momento das crises. Esse é um mito ainda mais perigoso, pois geralmente leva a automedicação e ao uso excessivo de analgésicos, que tornam na verdade a cefaleia ainda mais frequente.

Entretanto, o tratamento para enxaqueca existe sim. E deve ser individualizado, ou seja, levar em conta toda a história do individuo, como:

Seu tipo de enxaqueca
Frequência das crises
Tempo de inicio dos sintomas
Sintomas associados à dor de cabeça
Existência de outras doenças que são mais frequentes em quem tem enxaqueca, como distúrbios do sono, doenças psiquiátricas ou gastrointestinais.

Isso não esquecendo outras doenças não relacionadas frequentemente ao quadro, além de alergias medicamentosas que podem levar ao problema. Ou seja, é impossível tratar de verdade a enxaqueca se automedicando. Uma consulta detalhada com um médico especialista vai determinar qual é o melhor tratamento para a SUA enxaqueca, ou seja, para você.

Leia também:  Quatro dicas para cuidar da pele dos cães durante o frio

Explicando um pouco melhor, o tratamento da enxaqueca se baseia em algumas medidas, como disse orientadas caso a caso. Antes de tudo, a pessoa com enxaqueca deve observar atentamente possíveis situações que ajudam a provocar a dor, os gatilhos para que as crises ou sintomas aconteçam. Exemplos desses gatilhos são:

Momentos de estresse
Alterações na rotina de sono
Menstruação
Jejum prologado
Barulho e claridade em excesso
Luzes piscantes
Movimentos bruscos
Alguns odores
Exercícios físicos em excesso
Alguns alimentos, como cafeína e álcool.
Evitar, dentro do possível, se expor a seus gatilhos, ajuda no tratamento, pois evita que algumas crises aconteçam. Esses gatilhos também devem ser informados ao seu médico para melhor orientação.

TRATAMENTO

O medicamento vai ser orientado de acordo com as características da sua enxaqueca, como citado acima. Pode-se usar desde analgésicos comuns, até anti-inflamatórios e analgésicos específicos para enxaqueca, ou seja, que não tratam outras dores. Alguns exemplos são os triptanos (sumatriptano, naratriptano entre outros) e os ergóticos, que tem em sua composição uma substância chamada tartarato de ergotamina. A indicação desses medicamentos depende da intensidade e tipo de enxaqueca. Podem ser associadas outras medicações para sintomas comumente associados à cefaleia (náuseas e vômitos) como anti-eméticos.

Leia também:  O que a dieta tem a ver com a inflamação?

Pessoas que tem um tipo de enxaqueca chamada enxaqueca com aura, onde além da cefaleia podem ocorrer alterações visuais e formigamentos/dormências pelo corpo, devem ser ainda mais cuidadosos ao fazer uso desses analgésicos específicos. Existe um momento certo para usá-los e às vezes podem até serem contraindicados. E o mais importante, não se deve usar mais que três analgésicos por semana, pois isso já é considerado um uso excessivo – podendo provocar cefaleia diária, a chamada enxaqueca crônica. Ou seja, automedicação não é o caminho. Na verdade é um dos maiores problemas que ainda encontramos para o tratamento correto da enxaqueca. Analgésico só alivia os sintomas, mas não trata a doença.

E se você apresenta cefaleia ao menos um dia por semana, todas as semanas, ou crises intensas, de longa duração, que não respondam bem ao tratamento de crise, muitas vezes te fazendo procurar um atendimento em emergências hospitalares ou fazer uso excessivo de analgésicos, deve ser iniciado um tratamento preventivo. A doença enxaqueca só é realmente tratada com esses tipos de medicamentos, que agem reequilibrando a função de alguns neurotransmissores tornando a pessoa menos susceptível a ter crises. Esses medicamentos NÃO são analgésicos, só podem ser prescritos pelo médico e, por existirem vários tipos, vão ser indicados de maneira individualizada para cada paciente. A grande maioria das pessoas ainda não sabe, mas a enxaqueca pode ser controlada, havendo uma redução da frequência e intensidade das crises.

Leia também:  Conheça 8 tipos de sal e aprenda a usá-los

O REMÉDIO É A ÚNICA SOLUÇÃO

Medidas não medicamentosas, como prática regular de exercícios físicos, técnicas de relaxamento, meditação, acupuntura e auxílio psicológico também podem contribuir para a redução de suas crises. E estudos mostram que, se combinados com o tratamento medicamentoso preventivo, o resultado pode ser ainda melhor.

Enxaqueca tem tratamento. Muitas medidas, como os medicamentos preventivos, as terapias não medicamentosas e mudanças de estilo de vida, especialmente quando combinadas, podem proporcionar um controle efetivo de suas dores de cabeça.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.