Depois de um encontro entre o empresário de Fernando Alonso e o chefe da RBR, Christian Horner no fim de julho, os rumores sobre uma possível saída do piloto da Ferrari se intensificaram. Além disso, o espanhol estaria descontente com a performance da escuderia italiana perante aos times rivais, chegando a criticar abertamente o desempenho da equipe. Contudo, o bicampeão tratou de empurrar os boatos – que até davam conta de que poderia tirar um ano sabático – para o lado e garantiu que cumprirá o resto do seu contrato até o fim, além de fazer juras de amor à Ferrari.

– Eram rumores, apenas. Existiram rumores sobre a RBR, sobre um ano sabático, sobre tanta coisa… Mas eu ainda tenho mais três anos e meio de contrato com a Ferrari e pretendo cumpri-los. Quero tentar encerrar a minha carreira na melhor equipe do mundo, a Ferrari – declarou o espanhol.

Leia também:  União e Cuiabá ficam no empate Luthero

Sobre os boatos a respeito do ano sabático, o piloto foi enfático:

– Isso nunca foi uma opção. Estou experimentando o melhor momento da minha carreira. Não quero perder nenhuma oportunidade. Sei que ainda estarei em condições de correr em alto nível por mais quatro ou cinco anos. Dedicarei 100% da minha paixão ao automobilismo e à minha carreira – revela o bicampeão de 32 anos.

Foco em 2014

Alonso foi além e falou também sobre a situação atual do campeonato, admitindo que se não conseguir diminuir a diferença para o líder Sebastian Vettel nas próximas duas provas, seria melhor que a Ferrari começasse a se concentrar na temporada de 2014.

Leia também:  José Aldo terá a revanche pelo cinturão contra o atual campeão Max Holloway

– Só conseguimos diminuir a diferença quando Vettel abandonou. Temos que mudar esta situação. Será ótimo se conseguirmos terminar na frente dele aqui em Monza e em Cingapura. E quando digo terminar na frente dele, isso significa subir ao pódio, no mínimo. Sabemos o quão forte e competitiva a RBR será. Se não conseguirmos chegar à frente dele e continuarmos perdendo pontos, então temos que começar a focar em 2014 porque haverá apenas mais seis ou sete corridas restantes e uma diferença gigante de pontos – pondera o espanhol.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.