Moura, chefiava a quadrilha que assaltou Vila Rica - Foto: rádio Eldorado FM
Moura, chefiava a quadrilha que assaltou Vila Rica – Foto: rádio Eldorado FM

Antônio Moura de Oliveira, 47 anos vulgo o “Nego Véi”, um dos assaltantes mortos nesta segunda feira, , em confronto com o Batalhão de Operações Especiais (Bope), na divisa de Mato Grosso com o Pará, (Leia Aqui), após um assalto no último dia 9, a três agências bancárias e ao correios na cidade de Vila Rica, é considerado pela polícia um dos criadores da modalidade “Novo Cangaço”, iniciada na década de 90, no Nordeste.

Além disso, Moura é acusado de participação na morte do ex-prefeito de Campo Grande (RN), Antônio Veras, crime ocorrido em 2010. Na ocasião, os soldados PMs Jackson Cristiano Dantas e Solano Costa de Medeiros, que estavam fazendo a segurança da vítima, também foram executados na emboscada.

Leia também:  Vaqueiro é preso por furtar gado do patrão em MT

De acordo com investigações da Polícia Civil do Rio Grande do Norte, no final da década de 80, início da de 90, ele integrou a quadrilha chefiada por José Valdecário Benedito Carneiro. Com os trabalhos de repressão, as forças de segurança reduziram a ação da quadrilha, Na época vários integrantes da quadrilha foram presos, entre eles Moura, que cumpriu pena no Piauí e no município de Imperatriz (MA), onde ficou até obter a progressão para o regime semiaberto.

Após deixar a unidade prisional, Moura teria se unido a outros criminosos paraenses, alguns que conheceu na cadeia, para praticar novos crimes, entre assaltos e execuções.

Em outros Estados, Moura era investigado em vários processos de roubos a bancos. Em Mato Grosso ele era sondado no caso do assalto à agência do Banco do Brasil na cidade de Querência no ano passado.

Leia também:  Dois são presos por participação em morte de dentista

OUTROS DOIS
Ao lado de Moura, também foi morto Cássio de Almeida Souza, 28 anos, cujo nome está sendo checado, já que existe a suspeita de se tratar de identidade falsa. Elém deles foi preso um terceiro assaltante, trata-se de Bruno da Silva Aguiar, o “Arrupiado”, que também portava documentação falsa em nome de Rafael Alves de Carvalho.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.