Cientistas dos Estados Unidos afirmam que descobriram uma vacina capaz de controlar a resposta imunológica em macacos contra o Vírus de Imunodeficiência Símia (SIV), semelhante ao vírus HIV, causador da Aids em humanos. As informações foram publicadas nesta quarta-feira (11) pela revista científica “Nature”.

O estudo foi realizado por cientistas da Universidade de Saúde e Ciências de Oregon com macacos rhesus. Segundo a pesquisa, a vacina foi produzida a partir do emparelhamento de uma cepa alterada do vírus citomegalovírus (RhCMV) com o SIV. O RhCMV está presente em grande parte da população desses macacos.

A versão modificada do citomegalovírus gerou e manteve indefinidamente as células T com o chamado “efeito memória”, com capacidade de procurar e destruir células infectadas pelo SIV. As células T são um componente essencial do sistema imunológico do organismo e combatem doenças. No entanto, essas células presentes em vacinas convencionais não foram capazes de eliminar o vírus.
Vírus SIV controlado

Leia também:  Compare milho cozido e pipoca salgada

De acordo com os resultados do estudo, 50% dos macacos que foram vacinados manifestaram respostas imunológicas estáveis e controladas de um a três anos. Após este período de testes, os pesquisadores também descobriram que em grande parte dos símios parecia que a infecção inicial de SIV tinha erradicado, porque não foram encontrados resíduos do vírus.

“Através deste método, fomos capazes de ensinar o corpo do macaco a melhorar suas defesas de combate à doença. Nossa vacina mobilizou uma resposta das células T que foi capaz de ultrapassar os invasores SIV em 50% dos casos tratados”, disse Louis Picker, um dos autores do estudo, em comunicado divulgado pela universidade.
Segundo os cientistas, esta investigação demonstra também que este tipo de vetor de citomegalovírus oferece um grande potencial não só para a cura destas infecções persistentes, mas também para sua prevenção e para desenvolver estratégias de vacinação.
“(…) Estamos esperançosos de que [a técnica] de emparelhamento do CMV modificado com o HIV possa levar a um resultado semelhante com humanos”, afirmou Picker.

Leia também:  O que a dieta tem a ver com a inflamação?

Embora a equipe de pesquisadores ainda não tenha determinado quando poderia chegar a desenvolver uma vacina contra o vírus da imunodeficiência humana, Picker assegurou que sua próxima meta é “determinar se a vacina pode erradicar completamente o SIV em símios com a infecção mais desenvolvida”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.