Um documentário feito para exaltar a nova capital do Brasil em plena ditadura militar mostrou também, nesse domingo (22) à noite, os problemas sociais que já se apresentavam à época e, por isso, foi proibido pela empresa patrocinadora. O filme, de 1967, e os problemas que ele retrata foram apresentados ao público no documentário Plano B, de Getsemane Silva, durante o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. A produção foi a mais bem recebida pelo público do Cine Brasília nesse domingo (22) à noite.

Muito aplaudido, o filme Plano B vai atrás de Brasília, Contradições de uma Cidade Nova, patrocinado por uma empresa de máquinas de escrever e, posteriormente, boicotado por ela. A única exibição que o filme teve em décadas foi no Cine Brasília, no Festival de 1967. Imediatamente após sua projeção, o rolo foi escondido para que os órgãos de censura não o confiscassem.

Leia também:  Ana Vitória, Tiago Iorc, Marília Mendonça e Simone e Simaria são indicados ao Grammy Latino

“Não era um filme patrocinado por editais ou pelo Estado. Foi patrocinado por uma empresa e essa mesma empresa proibiu o filme quando estava quase pronto, porque ele revelava os subúrbios escondidos de Brasília”, explica Silva. Segundo ele, a intenção de Plano B, além de expor mais um episódio da repressão dos anos 60 e 70 no Brasil, é mostrar como Brasília continua evoluindo no quesito desigualdade social. “Eu conto essa história para dizer que Brasília continua com os mesmos problemas. Hoje, apenas 8% da população do Distrito Federal moram no Plano Piloto. Ou seja, o mito modernista não existe por aqui”.

Passando pelo Cine Brasília na noite de domingo, o casal Paulo e Eliana Gobbi resolveu conferir um pouco do festival e não se arrependeu. “O filme resgata a história da capital e tem esse contraponto, de buscar o filme antigo. Ele mostra que as coisas só pioraram e que a postura dos políticos não muda ao longo dos anos”, disse Gobbi, que se mostrou positivamente surpreso com o filme. Eliana também gostou das críticas incluídas na obra. “Gostei muito desse filme. Ele resgata uma memória crítica e mostra que muitas coisas não se modificaram. Muito bom”.

Leia também:  Gusttavo Lima surpreende artista de rua que cantava música dele em semáforo de Goiânia

Presente em Plano B, a equipe do documentário de 1967 relembra histórias da produção. O ator Joel Barcellos foi diretor de produção de Brasília, Contradições de uma Cidade Nova e contou à reportagem que os “anos de chumbo” não lhe deram trégua. “Era de machucar o peito as coisas que eles faziam. Em 1968 e 1969, tive filmes e peças censurados. O [diretor italiano] Bernardo Bertolucci escreveu uma história para mim, me levaram para a Itália e livraram a minha cara. E é por isso que estou aqui agora, cheio de emoção”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.