A reunião aconteceu nesta segunda-feira (02) - Foto: Ricardo Costa / AGORA MT
A reunião aconteceu nesta segunda-feira (02) – Foto: Ricardo Costa / AGORA MT

Donos de funerárias e assistentes sociais se reuniram nas dependências da Secretaria Municipal de Assistência Social, na manhã desta segunda-feira (02), para discutir a distribuição das requisições que dá o direito do corpo ser preparado gratuitamente, sem custo para a família do óbito.

A reivindicação dos proprietários das funerárias é que as assistentes sociais estão liberando os serviços em excesso e a famílias que tem condições de pagar pelo serviço, o que inviabiliza o serviço de concessão.

“Este serviço deve ser dado a famílias carentes que não tem condições de pagarem, porém estão chegando muitos casos, não só na minha funerária, como nas dos colegas, onde pessoas de condições estão usufruindo de um serviço que é direcionado a outras pessoas”, lembrou José Carlos Castilho.

Leia também:  Dia das Crianças: Comércio estima aumento de 100% nas vendas em Rondonópolis | TV Agora

A assistente social, Adila Jesus explicou que a liberação das requisições por parte da Assistência Social acontece apenas de segunda a sexta-feira em horário comercial. “Após este horário os hospitais são quem libera as autorizações aos corpos a serem atendidos pelo serviço gratuito”, se defendeu.

De acordo com o secretário de Assistência Social, Eduardo Duarte, a legislação é falha, o que contribui na distribuição indevida de atendimentos. “Hoje não temos controle do que é doado, precisamos sentar com o legislativo, com executivo e discutir a implantação de critérios de seleção e acabar com as irregularidades. Fazer um trabalho com as assistentes numa triagem mais rigorosa”, diz.

ENTENDA COMO FUNCIONA

Como a prefeitura dá a concessão para as funerárias exercerem o serviço na cidade, em contra partida as funerárias oferece a assistência social do município atendimento gratuito a indigentes ou a óbitos cujas famílias não tem condições de arcarem com a preparação do corpo e com o caixão. Esse atendimento é sem limite e a funerária responsável é a que está de plantão no dia.

Leia também:  Inscrição do Ensino Médio e Superior do IFMT Rondonópolis encerra dia 8 de outubro

OUTRO FOCO

Também foi questionada pela categoria funerária a questão dos terrenos a serem enterradas as pessoas com menor poder aquisitivo, segundo eles também há irregularidade neste setor.

“Há casos onde a família do óbito, amigos ou colegas de trabalho querem dar mais dignidade ao corpo, colocando-o em um caixão melhor ou preparando o corpo a espera de um parente que vem de fora, porém quando chega na hora de enterrar em um terreno cedido pela prefeitura, a família é informada pelo administrador do cemitério que eles não podem enterrar seu ente querido naquele local, justificando o fato de terem tido condições para fazer tais benefícios e não terem condições de pagar pelo terreno”, contou Celso Luiz, proprietário de outra funerária.

Leia também:  Chuva e vento fortes provocam estragos em Rondonópolis

Para o secretário, Eduardo Duarte, este foi só o ‘ponta pé’ inicial da discussão. “Dentro dos próximos dias vamos apurar todos os assuntos, junto com as concessões e com a secretária para implementar medidas administrativas no intuito de resolver essas questões”, finalizou o secretário.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.