Àquela altura, Tim Montgomery era a versão americana de Usain Bolt. Em 2002, correu 9s78 e passou a ser o homem mais rápido do mundo. Mas, tão rápida quanto sua ascensão, foi a queda. Envolvido com doping, Montogmery perdeu suas medalhas conquistadas depois de 2001, seus recordes e foi banido do esporte por dois anos, anunciando a aposentadoria na sequência. Depois, acusado de fraude bancária e flagrado vendendo drogas, foi condenado à prisão, em uma sentença superior a nove anos.

Hoje, porém, Montgomery apressa sua recuperação. Por bom comportamento, o americano foi liberado após passar quatro anos e meio na prisão. Depois de treinar outros detentos e até mesmo guardas de sua penitenciária, o ex-velocista dá aulas para crianças na Flórida. Em entrevista ao site do jornal americano “USA Today”, o ex-homem mais rápido do mundo diz estar tentando reagir.

Leia também:  Cuiabá anuncia lateral-direito revelado pelo Grêmio

– Estou tentando voltar ao ponto onde Tim Montgomery foi punido com uma largada falsa, está de volta aos blocos e está vencendo a corrida. Eu não perdi na primeira parte da minha vida. Eu apenas fiz uma escolha errada. Mas eu não vou perder a segunda parte da minha vida.

Atualmente, Montgomery dá aulas para 80 crianças. Cobra US$ 50 por hora para aulas privadas e US$ 35 para grupos. No início, enfrentou a resistência dos pais. Depois, porém, conseguiu convencê-los de que havia mudado.

– Ele é apenas uma pessoa genuína, com um grande coração. Não mudamos de opinião depois – disse Brenda Wawers, que levou seu filho, que nasceu com problemas em uma das pernas, para treinar com o ex-recordista mundial.

Leia também:  Dom Bosco marca jogo para às 9h no domingo pela Copa FMF

Ex-recordista mundial dos 100m e ex-namorado de Marion Jones, que perdeu as cinco medalhas que conquistou em Sydney e foi presa por mentir a investigadores, Montgomery foi suspenso por dois anos por doping. O ex-corredor, atualmente com 38 anos, admitiu ter usado substâncias proibidas nos Jogos Olímpicos de 2000, quando conquistou o ouro no revezamento com os EUA, à frente do Brasil. Após a admissão do doping, as autoridades brasileiras tentaram herdar o ouro da prova, sem sucesso. Montgomery não participou da final, mas disputou as eliminatórias. O americano chegou a sonhar com um lugar nos Jogos de Londres, mas não foi liberado da prisão a tempo de tentar o índice.

Leia também:  Flamenguistas são detidos por jogarem bombas em porta de hotel de time adversário
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.