A família do jovem auxiliar de serviços gerais, Fernando Henrique Vieira Cardoso, 19 anos, que faleceu no dia 21 de setembro, no Hospital Municipal Osnir Bortolini, em Itiquira, disse que houve negligência médica no atendimento da vítima. A certidão de óbito aponta como causa da morte, parada cardiorrespiratória como consequência de edema pulmonar agudo.

Eduardo Henrique, irmão de Fernando, disse a reportagem do Site AGORA MT o que aconteceu no dia da morte do irmão, segundo ele, o médico boliviano Gutemberg Milan Vargas Velasques, que era o único plantonista do hospital no dia, não estava na unidade para atender os pacientes.

“Meu irmão se sentiu mal na sexta-feira (20) de manhã, ele não foi ao trabalho por procurar atendimento no posto de saúde. Passaram vários exames para ele fazer, porém ele continuava com falta de ar e por volta das 22h ele pediu para que nós o acompanhasse até o hospital novamente”, desabafa Eduardo.

Leia também:  Unemat divulga resultado final do Vestibular 2017/2

“Lá as enfermeiras disseram que nem eu, nem minha irmã poderíamos acompanhar nosso irmão e mandou a gente ir embora. Pouco depois, Fernando ligou para nós, e pediu para ficarmos do lado dele, porque ele estava sentindo que ia morrer, ai a enfermeira tomou o celular da mão dele e disse que não era para gente vir, que não tinha lugar para a gente ficar”, chora Eduardo.

Mesmo assim, a família retornou para hospital e quando as enfermeiras perceberam, os irmãos estavam juntos de Fernando, quando começou a angustia. O jovem permaneceu na espera de atendimento até as 6h10 do sábado (21), mas já era tarde.

“Durante a madrugada nos corremos atrás, ligamos para o médico, que dizia que já estava vindo, mas ele nunca chegava, e quando ele chegou já era tarde, meu irmão tinha morrido. Eles poderiam ter colocado Fernando em um balão de oxigênio e transferido ele para Rondonópolis, mas a má vontade reinou”, lamenta Eduardo.

Leia também:  Saúde foca em realização de novo concurso

Ainda segundo o rimão, os familiares foram cobrar explicações do médico boliviano Gutemberg, porém ele mal atendeu a família, recusou assinar o atestado de óbito,  e só realizou a ação após uma ordem do cartório local.

MÉDICO
O boliviano Gutemberg Milan Vargas Velasques, CRM 7402-MT CNS: 106962065090003, está apenas há um mês na cidade, ele foi contratado no dia oito de agosto deste ano, como Coordenador da Junta Médica Oficial do Município de Itiquira.
Gutemberg não foi encontrado para comentar o caso.

HOSPITAL
Há três dias o Site AGORA MT, tenta contato, porém a responsável pelo administrativo da unidade, Alba Justino, não retornou nossas ligações.

SECRETÁRIA SAÚDE
A reportagem também tentou contato com a Secretária Municipal de Saúde,  Lucimaria Garcia da Silva, porém preferiu não se manifestar.

Leia também:  Mais de 120 mulheres foram violentadas em MT nos primeiros sete meses deste ano
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.