O governo adiou a reunião com dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública de Mato Grosso (Sintep-MT), para segunda – feira (9) alegando precisar de mais um tempo para analisar os termos e apresentar uma proposta sobre os assuntos referentes à pauta de reivindicações da categoria.

Os profissionais querem uma proposta propositiva do governo para dobrar o poder de compra dos salários e sete anos; assegurar os percentuais para a integralização do piso para este ano; percentual de horas de trabalho pedagógico para interinos nas portarias que normatizam o ano letivo de 2014, a ser elaborada este ano; data para a posse dos classificados e realização de novo concurso público; aplicação dos 35% dos impostos arrecadados na educação.

Leia também:  Carro estacionado em local proibido gera transtorno no Centro

O governo do Estado pediu à Justiça que decrete a ilegalidade da greve dos profissionais da rede estadual de ensino. Segundo o secretário de articulação sindical do Sintep/MT João Eudes Anunciação, o Sindicato já foi notificado e tem o prazo de 72h para apresentar os documentos e as razões que levaram a categoria a paralisar as atividades. “Ao mesmo tempo que o governador estava tentando negociar com a entidade já estava solicitando o pedido de notificação. Mas nós vamos ficar aguardando um retorno do governo para oficializar uma resposta e em relação a greve nós vamos continuar por tempo indeterminado” afirma João Eudes.

E em forma de continuar reivindicando pelos seus direitos os profissionais da educação irão participar da “Marcha dos Excluídos” que acontece após o desfile cívico em Cuiabá.

Leia também:  Rondonópolis e outros seis municípios correm o risco de perder zona eleitoral
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.