O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social, elaborou um diagnóstico do Trabalho Infantil, ferramenta esta que deverá mapear os focos e características do Trabalho Infantil nos municípios mato-grossenses. Em fase de finalização, esse diagnóstico irá nortear a promoção de políticas públicas relacionadas à erradicação e combate do trabalho infantil, com o envolvimento também de outras secretarias estaduais, como Saúde e de Educação, numa ação conjunta e multidisciplinar.

Para tanto, entre os meses de abril e julho, a Setas-MT percorreu mais de cinco mil quilômetros, visitando 52 localidades para, com base nessa amostragem, sistematizar os dados sobre a realidade do trabalho infantil em Mato Grosso.

Leia também:  Taques anuncia obras de serviços visando a pavimentação de trechos de rodovias em Rondonópolis

Em reunião de trabalho realizada nessa quarta-feira (18), a responsável pela execução do diagnóstico estadual, secretária estadual de Trabalho e Assistência Social, Roseli Barbosa, apresentou a metodologia e o resultado dos estudos aos setores envolvidos na construção da agenda do Trabalho Decente, que tem o combate do Trabalho Infantil como um dos pilares. “Mato Grosso avançará ao desenvolver ações de combate ao trabalho infantil, com o direcionamento mais objetivo para o público prioritário das políticas sociais identificados nesse diagnóstico”, avaliou Roseli Barbosa.

Para a procuradora do Trabalho e vice-coordenadora Nacional de Combate à Exploração do Trabalho de Crianças e Adolescentes, Thalma Rosa de Almeida, o estudo será de suma importância para execução dos trabalhos voltados ao combate das práticas de trabalho infantil. “Parabenizo a secretária Roseli Barbosa por estar na condução desse enfrentamento e por ter assumido a missão de apresentar um diagnóstico com as informações sobre o cenário estadual. Que esse seja o começo de um trabalho longo e profícuo”, afirmou.

Leia também:  Força Tática de Rondonópolis recebe Moção de Aplausos da Câmara Municipal

Dados preliminares deste estudo, que deverá ser apresentado em seminário no próximo mês, apontam que menos de 60 mil pessoas, entre crianças e adolescentes, ainda estão em situação de trabalho infantil.

Também participaram da reunião pela Setas-MT, o assessor técnico Luciano Joia, além dos secretarios-adjuntos Jean Estevan Campos Oliveira (Assistência Social); Dalva Couto (Cidadania); Vanessa Rosin (Trabalho e Emprego) e Benjamin Franklin Lira (Assuntos Comunitários). Ainda o presidente estadual do Conselho da Criança e Adolescente, Dirceu Belarmino Pereira, e representantes do Ministério Público Estadual; da Superintendência Regional do Trabalho; da secretarias de Educação e de Saúde.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.