O estreante Kevin Souza bateu Felipe Sertanejo e foi o único vencedor do card de Belo Horizonte, fora as duas lutas principais, que não compareceu à sala de imprensa logo após seu duelo para dar entrevista. O motivo é que o ex-campeão do Jungle Fight fraturou a mão direita logo no começo do primeiro round, foi direto para o hospital para imobilizar o local e terá de passar por uma cirurgia, que será provavelmente nesta sexta-feira. Já no hotel, ele explicou a lesão:

– Foi bem no início do primeiro round, quando joguei um direto nele. Ele meio que levantou um pouco o cotovelo, e senti minha mão arder muito. Achei que tinha quebrado, mas não sabia a gravidade que era. No final do segundo round eu falei para o Thiago (Tavares): “Cara, quebrei a mão.

Leia também:  União vence e assume liderança da Copa FMF

Está ardendo muito”. E o Thiaguinho falou: “Fecha a mão e bate com mais vontade” (risos). Eu fui lá, botei a mão nele no terceiro round, ele sentiu, mas não deu para dar continuidade, porque a mão estava doendo muito. Fui simplesmente levando a luta e batendo de forma mais cadenciada, para não machucar mais

Kevin vinha de sete vitórias seguidas por nocaute ou nocaute técnico no circuito brasileiro de MMA e dá o devido mérito ao adversário por não conseguido chegar à oitava. O triunfo em BH veio por decisão dividida dos jurados (29 a 28, 28 a 29 e 29 a 28):

– Não foi só por causa da mão, e sim pelo mérito do Sertanejo. Ele é um atleta muito bom, tarimbado, com cinco lutas no evento, ganhou de caras duríssimos (Antonio Pato e Godofredo Pepey), fez lutas duras no UFC. Fiquei um pouco frustrado de não ter conseguido o nocaute, porque tenho o costume de nocautear todo mundo, mas essa luta em si me fez crescer muito como atleta. Três rounds contra um cara do nível do Sertanejo. Isso me fez levantar, saber que a preparação física está sendo bem feita, que minha parte técnica está bem feita e precisa de alguns ajustes. Mostra alguns detalhes que a gente tem que trabalhar para melhorar.

Leia também:  Dourado sobe duas posições e chega ao 50º lugar no ranking Nacional

Fera no boxe, o peso-pena da Team Tavares vem treinando muito jiu-jítsu e wrestling, mas não conseguiu evitar algumas quedas de Sertanejo. Ele mostrou maturidade no comentário:

– Eu me senti tranquilo. Sei que tenho que melhorar um pouco mais. Não o chão em si, porque o jiu-jítsu está bom, e sim a parte de quedas, para evitar chegar a essa parte de chão. O Sertanejo mostrou que tenho que melhorar um monte. Mas foi uma luta de três rounds que só me fez crescer.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.