Foram três meses sem sentir o gostinho de disputar um jogo oficial. O último havia sido em maio, no Sul-Americano de clubes, pelo Rio de Janeiro. Suspensa por 60 dias após um polêmico caso de doping envolvendo o laboratório brasileiro Ladetec, a ponteira enfim voltou a disputar uma partida de vôlei. Em Ica, no Peru, Natália entrou no terceiro set da vitória da seleção brasileira sobre o Chile, em jogo válido pela estreia da equipe no Sul-Americano de vôlei, que dá vaga na Copa dos Campeões e no Mundial de 2014, na Itália. Sorridente, a jogadora confessou que já estava com saudades, e também lembrou do namorado Benite, jogador do Flamengo e da seleção brasileira de basquete, presença importante e constante nos momentos de dificuldade, apesar da distância.

Leia também:  União faz neste sábado primeiro jogo da final do sub-19

– Para mim é importante essa volta e logo na seleção brasileira, em um Sul-Americano. Estou retornando aos poucos. Esse é o caminho e estou muito feliz. Eram meses sem jogar. Estou pegando ritmo para voltar bem nos próximos campeonatos. Eu já estava com saudades – disse Natália.

No tempo em que ficou fora, a brasileira teve o apoio do namorado Benite, que entre agosto e setembro esteve com a seleção brasileira na Copa América de basquete, na Venezuela, e não se classificou para o Mundial da Espanha no ano que vem. Agora, é o amado que tem que esperar Natália voltar do Peru. A distância, ela garante, não atrapalha, e os momentos longe são facilitados pelos dois serem atletas e se entenderem.

Leia também:  Pesso chega e começa a montar o União

– Quem namora com a gente tem que saber como funciona nossa vida no esporte. Compreender o nosso trabalho. Minha sorte é que eu o entendo, e ele me entende. E também que ele é jogador. A gente se vê sempre que possível. Chegando no Brasil, certamente vou encontrá-lo, mas é isso aí. Ele tem que aguentar a distância, eu também, e isso é um problema mínimo que temos em um relacionamento como outro qualquer.

Depois de tanto tempo sem atuar, a ponteira se mostrou feliz com o seu desempenho, mesmo tendo entrado apenas no terceiro set contra o Chile, quando a partida já estava resolvida para o Brasil.

– O jogo foi tranquilo, fizemos nosso papel. Ganhamos por um placar aberto, 25/5, 25/10 no máximo, no primeiro set. E isso é importante para a gente pegar ritmo no decorrer do campeonato. Além disso, demos o primeiro passo para conquistar a vaga no Mundial e na Copa dos Campeões – encerrou a jogadora.

Leia também:  União perde em casa e dá adeus ao sonho da Série C
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.