A camisa 10 tornou-se tão emblemática no futebol brasileiro porque foi com ela que Pelé encantou o mundo. Melhor personagem para falar da mística desse número, o Rei assegurou na última terça-feira que Neymar melhorou quando trocou a 11 pela 10 na seleção brasileira. Coincidência ou não, ele tem razão.

Na era Mano Menezes, Neymar tinha usado a 10 uma única vez, em agosto de 2011. Voltou a vestir a histórica camisa da Seleção nos dois amistosos que deram pontapé inicial à preparação para a Copa das Confederações. No torneio, como muitos viram, o craque continuou com ela e brilhou. Amadurecimento?

– Eu amadureci com 17 anos. Tudo aconteceu muito rápido na minha carreira – resumiu o atacante de 21, que tem em seu currículo três títulos de Campeonato Paulista, uma Taça Libertadores da América, uma Copa do Brasil e uma Copa das Confederações. Em todos, absolutamente todos, ele foi protagonista.

Leia também:  Colorado vence fora de casa e ganha moral na Copinha

Não há dúvida de que Neymar é o principal jogador da seleção brasileira depois da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. Já era assim com Mano Menezes. Mas é inegável que o atacante do Barcelona se consolidou mesmo sob o comando de Luiz Felipe Scolari, técnico que o defende desde os primeiros contatos.

– A atuação do Neymar na vitória por 3 a 1, em Foxboro, nos Estados Unidos, na terça-feira, (veja os gols no vídeo), foi muito boa. Aliás, ele vem jogando muito bem há quatro anos, desde que surgiu no profissional do Santos. A cada 15, 20 apresentações tem uma que ele não vai bem. Mas o normal é ir bem – avaliou Felipão.
Neymar tem total confiança do técnico campeão do mundo em 2002 e é nome certo na Copa do Mundo de 2014, em busca do hexa. Os números apontam para isso. Até aqui, nessa segunda passagem pela Seleção, Felipão comandou 15 jogos (nove vitórias, quatro empates e duas derrotas). E o atacante esteve em todos.

Leia também:  União e Cuiabá ficam no empate Luthero

Na última terça-feira, com o gol marcado sobre Portugal, Neymar ainda igualou Fred na artilharia da nova era Felipão, com nove gols. Jô é o segundo, com cinco.

– O Neymar tem muita qualidade no drible e está evoluindo muito taticamente. Mas às vezes ele se expõe muito e batem nele. Daí vem a história de que ele se joga. Mas muitas vezes ele é parado com falta – defendeu o técnico da Seleção, quando questionado sobre o jogo violento por parte dos portugueses.

Depois de golear a Austrália por 6 a 0, em Brasília, e virar sobre Portugal, por 3 a 1, nos Estados Unidos, a seleção brasileira volta a se reunir em outubro. No dia 12, em Seul, o Brasil encara a Coreia do Sul. E no dia 15, no estádio Ninho do Pássaro, em Pequim, na China, pega os africanos de Zâmbia.

Leia também:  Odil Soares é o mais novo Técnico do Luverdense
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.