O Papa Emérito Bento XVI expressou em uma carta dirigida a um matemático sua “profunda consternação” pelos casos de abusos sexuais contra menores cometidos dentro da Igreja e afirmou que nunca os acobertou.

A carta, da qual o jornal “La Repubblica” publica trechos nesta terça-feira (24), está dirigida ao matemático ateu Piergorgio Odifreddi e é uma resposta ao seu livro “Caro Papa, ti scrivo” (“Querido Papa, te escrevo”).

“O fato de o poder do mal penetrar até este ponto no mundo interior da fé é para nós um sofrimento que, por um lado, não podemos suportar, e por outro, nos obriga a fazer todo o possível para que incidentes deste tipo não voltem a se repetir”, disse o Papa alemão, que renunciou em fevereiro deste ano.

Leia também:  Ataque terrorista deixa dezenas de feridos no metrô de Londres

“Só posso tomar nota com uma profunda consternação” dos abusos cometidos por sacerdotes, escreve o papa, que acrescenta: “Nunca tentei acobertar estas coisas”.

Durante todo o seu pontificado, de 2005 a 2013, Joseph Ratzinger decretou a tolerância zero frente às revelações de vários casos de pedofilia dentro da igreja.

“Se não é lícito se calar ante o mal dentro da Igreja, também não é se calar sobre o grande rastro luminoso da bondade e da pureza que a fé cristã deixou atrás de si ao longo dos séculos”, disse o Papa Emérito.

Desde sua renúncia, o Papa alemão, de 86 anos, vive em um monastério do Vaticano.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.