A Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) lançou o edital para concurso público no dia 24 de julho, para contratação de professores. Porém o método escolhido pela instituição tem gerado polêmica em âmbito estadual, já que a avaliação será feita apenas por uma redação.

De acordo com o presidente da Associação dos Docentes da Universidade do Estado de Mato Grosso (Adunemat), professor Luiz Jorge Brasilino da Silva, várias pessoas fizeram além do modo de avaliação da prova, outros questionamentos em relação ao concurso.

“Antes de ser lançado, o edital deveria ter sido apreciado por um conselho de estudantes e docentes de todos os campi, como previsto na lei estadual complementar 320/2008 e isso não aconteceu. Outro ponto é a mudança do local da prova, que seria em São Luiz de Cáceres e agora será na Capital, com o argumento de que em Cáceres não teria hotel suficiente. A mudança do período de inscrição e o número baixo de vagas ofertadas são outros aspectos, já que o necessário é de pelo menos 400 profissionais e não os 169 oferecidos”, avaliou Luiz.

Leia também:  Governo aumenta em 11% os repasses para os municípios

Ainda conforme Luiz Jorge, todas as denúncias feitas a Associação estão sendo apuradas. “Ainda não temos nada formalizado, mas estamos reunindo todo um material para avaliar e mostrar a sociedade.”, diz.

O assunto gerou mais polêmica porque não é a 1ª vez que a instituição é acusada de irregularidades em concursos. Em 2009, o promotor responsável pela 1ª Promotoria Cível de Cáceres, André Luiz de Almeida, solicitou a anulação do convênio entre a Unemat e a Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Amparo à Pesquisa (Faesp) responsável pelas provas, já que a Faesp era suspeita de irregularidades na prestação de contas. Já em 2011, candidatos ao concurso questionaram na justiça a participação de um funcionário da instituição que além de compor a organização do concurso, também estava inscrito para fazer as provas e disputar uma das vagas.

Leia também:  IBGE estima queda na produção de soja e arroz em MT em 2018

PROVA
A 1ª etapa da avaliação do concurso público será feita com uma prova escrita, onde os candidatos farão uma redação que será analisada por uma banca composta por dois docentes da grande área do conhecimento,  conforme o edital. Após, será aplicada a prova didática e por último a avaliação de títulos.

Leia o Edital na íntegra.

REITORIA
A equipe do Site AGORA MT entrou em contato com a Reitoria da Unemat, onde fomos informados por duas vezes que o reitor da instituição Adriano Aparecido Silva não estava disponível para falar com a reportagem sobre este assunto. Foi repassado outro número da comissão responsável pelo concurso, porém ninguém atendeu.

Leia também:  Servidores públicos lavam AL em ato contra a corrupção

UNEMAT
Hoje a UNEMAT possui 11 campi universitários, oito núcleos pedagógicos, seis pólos de ensino à distância (EAD), com 44 cursos regulares de graduação, 25 cursos nas modalidades diferenciadas de graduação, 3º Grau Indígena, 15 especializações, seis cursos de mestrado e seis programas MINTER/DINTER, atendendo 108 dos 141 municípios de Mato Grosso.

Os campi universitários são em Alta Floresta, Alto Araguaia, Barra do Bugres, Cáceres, Colíder, Juara, Luciara, Nova Xavantina, Pontes e Lacerda, Sinop e Tangará da Serra.

 

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.