Neste sábado, o campeão meio-pesado Jon Jones por pouco não saiu derrotado do octógono montado no Air Canada Center, em Toronto, para o UFC 165. Não apenas pelo difícil e perigoso adversário Alexander Gustafsson. Segundo Dana White, na entrevista coletiva pós-evento, o lutador e o próprio árbitro John McCarthy “imploraram” para que o médico não interrompesse o combate no intervalo do quarto para o quinto round, em decorrência de um profundo corte no supercílio direito do americano, o que acarretava em muito sangue e poderia atrapalhar a visão do lutador no decorrer do duelo.

– Jon Jones tem um queixo muito resistente, é um excelente striker e sei que Gustafsson está machucado agora. Mas Jon Jones tinha um grande corte em seu rosto que sangrava muito. Os médicos iriam parar a luta antes do quinto round, mas Jon Jones e John McCarthy imploraram para que a luta não fosse interrompida – revelou Dana White.

Leia também:  Federação realiza arbitral após desistências em série

Após o pedido do campeão e a permissão dos médicos para que a luta pudesse continuar, Jon Jones retornou para o quinto round e venceu o duelo contra Alexander Gustafsson por decisão unânime dos juízes. Com o resultado, o americano defendeu o cinturão pela sexta vez e passou Tito Ortiz em números sequenciais de defesas de título na categoria até 93kg.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.