A cobrança da torcida do Corinthians após a derrota por 2 a 0 para a Ponte Preta, em Campinas, foi imediata (assista aos principais lances). Alguns membros de torcidas organizadas se dirigiram diretamente do estádio Moisés Lucarelli, palco do confronto na noite da última quarta-feira, para o CT Joaquim Grava. Diante da situação delicada, jogadores e comissão técnica foram dispensados em outro local da capital paulista, para evitar represálias.

Aproximadamente 100 pessoas, distribuídas em três ônibus, partiram para o centro de treinamento, onde aguardaram a chegada dos jogadores. Informada sobre o caso, a delegação foi orientada a desviar a própria rota e não desembarcar no local. Justamente por isso a maioria dos torcedores abandonou o estádio logo após o apito final. A intenção era chegar antes do elenco a São Paulo.

Leia também:  Luverdense fica no empate com o Paraná

A revolta da Fiel começou no dia 8 de setembro, quando o Corinthians empatou sem gols com o lanterna Náutico, no Pacaembu. Algumas vaias foram ouvidas, dirigidas especialmente para jogadores mais criticados, como o volante Ibson. Ainda assim, a cobrança parecia discreta. O crédito do Timão por ter conquistado dois títulos – Paulistão e Recopa – nesta temporada aliviava a situação.

Porém, após novo tropeço em casa, derrota por 2 a 1 para o Goiás, no último domingo, os alvinegros encerraram de uma vez por todas a “lua de mel”, que vinha desde a vitoriosa temporada passada. Palavras de ordem, como “Ou joga por amor, ou joga por terror” foram gritadas insistentemente. Irritados com a suposta falta de vontade do Timão, os torcedores pediam que a equipe “voltasse do Japão” – alusão ao local onde o Corinthians conquistou o bi mundial, em dezembro de 2012.

Leia também:  Luverdense perde do Inter com gol polêmico no final

A tendência é que o cerco das torcidas aumente nos próximos dias. As duas próximas partidas serão em casa, e determinantes para o Corinthians no Campeonato Brasileiro. Primeiro, a equipe recebe o líder Cruzeiro, domingo, às 16h (horário de Brasília). Apenas três dias depois, encara o Grêmio, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Uma sequência que pode tirar o elenco do sufoco ou afundá-lo de vez na crise.

Apesar de protestos pontuais, as organizadas não compareciam em número tão alto ao CT Joaquim Grava desde a eliminação do Corinthians para o Tolima, da Colômbia, na fase preliminar da Libertadores de 2011. O Timão não vence há cinco jogos e já acumula três derrotas consecutivas no Campeonato Brasileiro.

Leia também:  Diretoria do União usa Facebook para homenagear Gilson Lira
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.