Pará-lo com falta, pode. Mas agredi-lo… em hipótese alguma. É assim que Kleber lida com a liderança em um quesito pouco agradável do Brasileirão: o de faltas sofridas. Após a vitória sobre o Atlético-PR, o Gladiador atingiu a marca de 106 infrações recebidas. Surpreso com o número, disse não se incomodar com o título de caça na competição. Condenou, porém, o que definiu como ‘absurdas’ as expulsões de Luiz Alberto e Pedro Botelho.

O levantamento mostra o quão o camisa 30 é mais visado do que os demais atletas. Éverton Ribeiro, meia do líder Cruzeiro, o segundo, sofreu 73 faltas. Emerson (Corinthians) e D’Alessandro (Inter), com 73, e Lins (Criciúma), 66, completam o Top 5. Só contra o Furacão, foram sete faltas sofridas, o maior número sobre apenas um jogador durante o confronto.

Leia também:  Flamengo vence Junior Barranquilla e garante a classificação para a final da Sul-Americana

– Eu me movimento bastante, busco o jogo, saio da área para fazer as jogadas. Quando se tem esse hábito, se tem mais contato com outros jogadores. É normal. Hoje, infelizmente, aconteceram coisas que não até então não aconteciam no campeonato. As duas expulsões foram absurdas, especialmente a segunda. A primeira, uma agressão. A segunda poderia ter me quebrado a perna. Lance lamentável. Entrou de uma forma que poderia quebrar um colega de trabalho – disse Kleber, acusado de ‘distribuir tapas’ e, por tabela, provocar os adversários pelo técnico Vagner Mancini.

Apesar da bronca, Kleber parece ter aprendido a conviver com as infrações. De comportamento explosivo, o Gladiador já sofreu no passado por revidar as entradas dos adversários. No atual fase, porém, ele prefere colher os frutos das agressões.

Leia também:  Flamenguistas são detidos por jogarem bombas em porta de hotel de time adversário

No jogo contra o Furacão, Luiz Alberto levou o primeiro vermelho por pisar nas costas do atacante, que estava caído após uma disputa de lance. Pedro Botelho, o segundo, depois que chutou a perna direita do atacante (veja os vídeos no pé da página). Situações que o fizeram temer pela repetição de graves lesões, como as ocorridas em 2012 (fratura na perna direita e tornozelo esquerdo), que o afastaram por quase cinco meses dos gramados.

– Fiqueio preocupado, claro. É lance perigoso. No ano passado, fiquei muito tempo parado por lesão. Poderia ter acontecido de novo. Não precisa disso. É um lance que poderia ser evitado – completou Kleber.
O Grêmio, segundo colocado, 11 pontos atrás do líder Cruzeiro, volta a treinar na manhã desta quinta-feira. No sábado, desafia o Botafogo, terceiro, em mais um confronto direito pelo G-4.

Leia também:  Circuito de Tênis começa nesta quarta em Cuiabá

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.