A petroleira OGX informou que optou pelo não pagamento das parcelas de juros remuneratórios no valor aproximado de US$ 45 milhões (cerca de R$ 100 milhões) decorrentes de bônus emitido no exterior que venceriam nesta terça-feira, segundo fato relevante divulgado pela companhia do empresário Eike Batista.

De acordo com as duas fontes, a saída para a empresa passa por uma recuperação judicial, embora uma decisão formal sobre isso ainda não tenha sido acordada oficialmente. O pedido de recuperação judicial deve ser realizado até o fim de outubro, disse uma das fontes com conhecimento direto do tema e que pediu para não ser identificado.

OGX contratou Blackstone Group LP e banco de investimentos Lazard Ltd para “rever a sua estrutura de capital”. Um grupo de credores, se preparando para uma negociação com a petrolífera, contratou a empresa de consultoria financeira Rothschild para aconselhá-lo sobre uma potencial reestruturação da dívida.

Leia também:  Mesmo com medida protetiva homem invade casa e estupra as duas filhas e a ex-mulher

O Pacific Investment Management Co, maior fundo de bônus do mundo conhecida como Pimco, e BlackRock Inc, maior gestora de fundos do mundo, fazem parte do grupo. Combinados, os detentores de bônus do grupo possuem mais da metade dos US$ 3,6 bilhões em títulos da OGX em circulação.

O pagamento de terça-feira se refere a uma dívida de US$ 1,1 bilhão em bônus com vencimento em 2022. A OGX também terá que arcar em dezembro com o pagamento de aproximadamente US$ 100 milhões em cupom do bônus com vencimento em 2018.

Os preços dos bônus da OGX caíram 80% este ano, no pior desempenho de um título de mercados emergentes, de acordo com dados da Thomson Reuters. As ações da OGX recuaram 25% nesta segunda-feira, a R$ 0,21.

Leia também:  Blitz nacional nos aeroportos conscientiza sobre regras da Anac

A derrocada da OGX, que já foi considerada o ativo mais precioso do grupo de empresas de Eike, ganhou força após sucessivas frustrações com o nível de produção da petroleira. No início de julho, a companhia decidiu não seguir adiante com o desenvolvimento de algumas áreas na bacia de Campos antes consideradas promissoras.

A petroleira – com uma dívida de US$ 4 bilhões, a maioria em bônus no exterior – espera completar a venda de uma fatia em blocos de petróleo que possui para a malaia Petronas para conseguir um alívio no caixa.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.