Foto: assessoria
Foto: assessoria

O prefeito Percival Muniz se juntou a uma comitiva formada por deputados, autoridades locais e o diretor executivo do Departamento Nacional de Infraestrutura – DNIT, Tarcísio Gomes de Freitas, em Rondonópolis, na manhã desta terça-feira (15), para uma discussão acerca de uma nova fase para aos 13,4 km da Travessia Urbana das BRrs-364 e 163. Na pauta do encontro ainda constava temas de relevância para a cidade mais desenvolvida do Sul do Mato Grosso como a duplicação da BR 163, saindo do ‘trevão’ até o Terminal da Ferronorte, e uma visita ao trecho que já está sendo duplicado na BR 364, sentido Jaciara. Após solicitar mudanças no novo projeto da travessia e ver acatada a maioria das indicações, Muniz oficializou a saída do Município da gerência do projeto.

No primeiro encontro da manhã com Tarcísio, em um hotel da cidade, o prefeito de Rondonópolis esboçou tudo o que imagina ser necessário alterar e encorpar na travessia. A principal preocupação do gestor, agora pensando estritamente no planejamento interno da cidade, é o de dar opções de trafegabilidade aos condutores de lado a lado da BR que corta a cidade, sem ter de atravessá-la. Para tanto, o prefeito pediu três novas passagens inferiores, semelhantes a da Vila Mamed: uma na entrada do Distrito Industrial Maria Vetorasso, acompanhado de uma larga intersecção na superfície de mais de 200 metros de extensão; uma segunda passagem 40 metros acima da ponte do Rio Vermelho, para dar acesso ao distrito industrial Augusto Bortoli Razia, e um terceiro acesso subterrâneo no final da Avenida Arapongas.

Segundo o secretário de Infraestrutura do Município, Argemiro Ferreira, os três pedidos do prefeito foram acatados pelo representante do Departamento Nacional. “O diretor entendeu, assim como nós, que o projeto da travessia urbana, que é de 2009, precisa ser modernizado, até porque a necessidade atual já é outra. O prefeito ainda mostrou todo o planejamento urbano que ele tem para a cidade o que justificativa as mudanças. Para a passagem inferior do Vetorasso, por exemplo, será criada uma grande avenida que trará todo o fluxo de uma nova ponte no Rio Vermelho, no final da Avenida Lions Internacional. Quanto a outra passagem, para dar acesso ao Distrito Razia, ela já está inclusa até mesmo no atual projeto. Outro ‘sim’ importantíssimo que ouvimos do diretor é na passagem da Avenida Arapongas. Esta opção dará a possibilidade para toda a grande Cidade Salmen ter acesso ao centro da cidade de maneira muito facilitada”, explicou Ferreira.

Percival ainda pediu a inclusão de outra grande rotatória nas proximidades do Distrito Boa Vista, onde se tem acesso à MT 040, sentido Fátima de São Lourenço. Esta requisição, no entanto, ainda será estudada pelo DNIT. “Quanto a esta situação da cabeceira do almoço o diretor recebeu o pedido e ficou de analisar a viabilidade”, afirmou Argemiro. O secretário detalhou que para o novo contrato de execução da travessia, que será firmado diretamente entre Dnit e empreiteira, o RDC (Regime Diferenciado de Contratação) será utilizado.

Neste modelo de contratação assumido pelo Governo Federal, segundo palavras do próprio diretor do DNIT, a empresa contratada fica forçada a tocar as obras com celeridade por meios legais. “A quantidade de obras a partir de agora que serão entregues no prazo vai aumentar consideravelmente. Além do fato do RDC funcionar atrelado a uma seguradora, caso ocorra alguma intempérie na execução, o fato de diminuir custo e tempo só melhora as coisas para a própria empresa, financeiramente falando. O foco agora é na performance”, argumentou Tarcísio Gomes.

O diretor nacional ainda detalhou que vencido todo o processo de inclusão no Programa de Aceleração do Crescimento – PAC, garantindo a boa flutuação de recursos e outros detalhes burocráticos, em um período de três meses é possível fazer a licitação e contratação da nova executora. No mesmo pacote da segunda etapa da travessia deve entrar a duplicação da BR 163, desde a saída de Rondonópolis até o trevo de entrada do terminal ferroviário. “Sabemos da importância da duplicação deste trecho e o projeto já está pronto. O modelo utilizado ali também será no RDC e está em um estágio bem avançado”, garantiu Gomes.

Fim do atual contrato

Para finalizar a participação do Município no projeto da Travessia Urbana, como já havia anunciado o prefeito Percival, a Administração espera o término da obra do túnel da Mamed. “Nos próximos dias será instalado o sistema elétrico da passagem inferior e liberaremos o tráfego. Após isto, em um prazo de 30 dias elaboramos uma última prestação de contas e a apresentamos para entregar oficialmente a obra de volta ao DNIT”, conclui Argemiro Ferreira.

O prefeito Percival Muniz aproveitou a presença de Tarcísio para discutir a possibilidade de duplicação do Anel Viário, o que seria possível com a ajuda do Governo Federal apenas se houvesse uma federalização do trecho, o que ficou de ser estudado entre as partes. Sobre o fim do contrato, o prefeito disse que a Administração continua de olhos abertos na travessia, mas em seu devido lugar que é no amparo técnico e nada mais. “A recepção do Tarcísio foi muito boa. Ele nos ouviu, atendeu a quase todos nossos pedidos e percebeu o planejamento que queremos para a cidade. Temos que preparar a circulação de veículos de maneira organizada e segura, dando condições do condutor transitar por todos os pontos do Município sem ter que competir com os caminhões e milhares de veículos que passam pela BR”, explanou o prefeito Muniz.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.