Pesquisa divulgada pelo site Adzuna mostra os melhores e piores empregos, além dos mais estressantes e mais promissores na Grã-Bretanha. O estudo foi realizado em setembro e analisou mais de 2 mil cargos, incluindo critérios como potencial de ganhos, condições de trabalho, competitividade, taxas de desemprego e segurança no trabalho.

Os piores empregos
Mineiros e entregadores de encomendas têm os piores postos de trabalho no Reino Unido. Pressão por prazos, menor potencial de crescimento da renda e longas horas de jornada colocaram essas funções no topo do ranking. Trabalhadores em construção, jornalistas, chefs, eletricistas, motoristas de veículos pesados, garçons, cuidadores e trabalhadores domésticos completam o restante da lista.

Os melhores empregos
Os tradutores levam a coroa de melhores empregos no mercado, seguidos pelos desenvolvedores web e cirurgiões. Nível alto de segurança, salários altos (média superior a 85 mil libras ao ano ou R$ 285 mil, cerca de R$ 24 mil por mês) e excelente potencial de crescimento da renda de até 8 vezes a partir do salário. A falta de concorrência, a alta demanda do empregador, aumento de salários e excelentes ambientes de trabalho são fatores para que os desenvolvedores web ficassem em 2º lugar. Em seguida no ranking vêm advogados, veterinários, pilotos, atuários, fisioterapeutas, arquitetos e dentistas.

Leia também:  Venezuelanos enfrentam fila para obter visto e cruzar fronteira para entrar no Brasil

Os empregos mais estressantes
Pilotos e trabalhadores em plataformas de petróleo têm os empregos mais estressantes no Reino Unido, pelo alto estresse emocional e físico. Jornalistas estão na 4ª colocação, principalmente devido à alta pressão por prazos no ambiente de trabalho. Os baixos níveis de competição, prazos mais flexíveis e pouco trabalho físico colocaram bibliotecários e tradutores entre as ocupações menos estressantes no mercado.

Mais e menos promissores
Cargos dos setores de TI e engenharia têm as melhores perspectivas devido aos aumentos médios de salários em torno de 3,2% desde janeiro de 2013 e aumento de 23% na oferta de postos de trabalho desde o começo do ano. No outro extremo, os avanços tecnológicos e os cortes em grandes empresas como a Thomas Cook & Royal Mail afetaram o mercado de trabalho do Reino Unido. Cargos como agentes de viagens, carteiros, caixas de supermercados e operários estão se tornando cada vez menos promissores.

Leia também:  Avião militar com 16 pessoas a bordo cai e todos morrem nos EUA
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.