A estreia do Brasil na Copa dos Campeões começou com um verdadeiro teste para o coração do torcedor. A vitória suada por 3 sets a 1 (25 a 16, 25 a 17, 25 a 27 e 25 a 23) sobre o Irã teve momentos de domínio absoluto verde e amarelo, mas também de fragilidade da renovada seleção brasileira de Bernardinho. Com um início arrasador no Kyoto Prefectural Gymnasium, Bruninho, Lucarelli, Sidão e companhia caprichavam na defesa e pontuavam sem dificuldade. Mas, o jogo que estava tranquilo começou a virar com a bela exibição do oposto iraniano Ghafour, que comandado pelo italiano Julio Velasco ajudou na reação ao vencer o terceiro set e fazer um jogo duríssimo até o fim.

Sem nunca ter perdido para o Irã na história, coube ao Brasil manter a escrita e responder com os bons passes de Bruninho para o oposto Wallace, que ganhou sua primeira chance como titular, para manter a invencibilidade e começar com uma suada vitória na competição.

– Na verdade eu esperava um jogo até mais complicado no início. Abrimos com facilidade, jogamos bem taticamente, mas no segundo set eles começaram a se acertar. No terceiro set eles começaram a jogar muito bem e foi difícil. Fica a lição com a questão emocional, e isso é muito importante para o próximo jogo contra os EUA – resumiu Bernardinho.

Leia também:  União volta a jogar sábado pelo Sub-19

O próximo adversário é os Estados Unidos, nesta quarta-feira, às 5h10 (horário de Brasília), em Kyoto, no Japão. O duelo terá transmissão do SporTV.

Início de domínio absoluto

Claramente explorando os saques em cima de Maurício, os iranianos logo mostraram que não seriam moleza. Zanini e Ghafour tratavam de colocar a bola no chão e não deixavam a equipe de Bernardinho abrir vantagem. Porém, a tática defensiva dos asiáticos logo foi desmoronando com o bom controle de recepção e as pancadas de Lucarelli e Wallace, abrindo 10 a 7. O técnico do Irã, o italiano Julio Velasco, pedia tranquilidade ao time, mas o Brasil mantinha a concentração e logo abriu uma distância de 5 pontos. Sem encontrar soluções para furar os bloqueios, Velasco tirou Zanini e colocou Mobasheri, mas pouco adiantou. O Brasil fechou em 25 a 16 o primeiro set.

Leia também:  União perde em casa e dá adeus ao sonho da Série C

A volta do intervalo começou de forma parecida, mas o Irã arrumou o setor defensivo e respondeu com Ghafour, chegando a abrir 5 a 3. Restou aos centrais Sidão e Lucão a responsabilidade de manter a seleção brasileira no jogo, até que Bruninho enganou bem o bloqueio, e Wallace colocou o Brasil na frente: 10 a 9. Os bons saques de Zarini dificultavam a recepção, mas quando Ghafour errou sozinho, sem bloqueio, o jogo iraniano desestabilizou. Coube ao Brasil manter a tranquilidade e jogar nas falhas do time de Velasco. A vantagem logo aumentou e, com um belíssimo saque, Sidão fechou em 25 a 17 o segundo set.

Reação iraniana e força brasileira

O Irã voltou mordido. No começo abriu uma vantagem de 4 a 2 com os bons saques de Gholami. Foi a vez de Sidão sacar e empatar a partida. Ghafour, também no saque, colocou os asiáticos novamente na frente. Bernardinho pedia calma e logo viu o Brasil tomar a frente abrindo 13 a 11. Com 19 a 16, Bernardinho preferiu deixar Evandro no saque e respirou no terceiro set. No fim. o Brasil cochilou e viu o Irã empatar em 20 a 20. O levantador Marouf tentou uma bola de segunda e errou feio, colocando a seleção brasileira na frente e com o match point nas mãos. O Brasil errou duas vezes e o Irã não perdoou, se mantendo vivo no jogo: 27 a 25 para os asiáticos.

Leia também:  União precisa vencer para ficar com título do sub-19

A animação iraniana abafou o jogo brasileiro no início do quarto set. O time de Velasco liderou o placar até o quarto ponto, mas Lucão e Maurício, no bloqueio duplo, trataram de colocar o Brasil na frente: 5 a 4. Depois da parada obrigatória o Irã voltou melhor e Ghaemi virou. Bruninho acionava Wallace, que correspondia e diminuía o placar, mas a defesa não funcionava bem com as boas viradas do Irã. O desespero brasileiro ficou claro quando Sidão, em um lance bizarro, praticamente agarrou a bola rente à rede. A liderança alternou entre as seleções, e com a defesa brasuca entrando no clima do jogo, o Brasil conseguiu retomar a liderança e fechar o set em 25 a 23.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.