O caminho até agora foi impecável. Em 2013, foram quatro competições, quatro títulos e o fôlego necessário para dar início a um novo ciclo olímpico. Mas, para fechar a temporada, as meninas da seleção brasileira entram na madrugada desta terça-feira em busca de uma nova conquista. Às 4h40m (horário de Brasília), a equipe estreia na Copa dos Campeões diante dos Estados Unidos, em Nagóia, no Japão. O SporTV transmite o evento ao vivo.

A competição reúne campeões continentais (Brasil, Estados Unidos, Rússia e Tailândia), o país sede (Japão) e uma seleção convidada (República Dominicana). Em cinco edições até aqui, as brasileiras foram campeões em uma (2005). Em 2009, levaram a pior para as russas, atuais detentoras do título.

Depois dos Estados Unidos, o Brasil encara Tailândia, República Dominicana, Rússia e Japão em sequência, em disputa em pontos corridos. Em 2013, a seleção conquistou os Torneios de Montreux e Alassio, o Grand Prix e o Sul-Americano. Na atual temporada, venceu as americanas duas vezes no Grand Prix. Mas, ainda assim, o técnico José Roberto Guimarães não espera um duelo fácil.

Leia também:  Atleta rondonopolitana é ouro no salto em altura

– É um time muito perigoso com muito volume de jogo. É uma escola baseada no sistema defensivo. Em relação ao Grand Prix, eles têm a volta da Larson que é uma jogadora que participou dos últimos dois ciclos olímpicos. Ela é extremamente importante para equipe americana. Sabemos que vai ser um jogo difícil. As partidas de estreia são sempre nervosas e a expectativa é de um grande jogo – afirmou.

Antes mesmo de a tabela oficial ser divulgada, Zé Roberto esperava por um duelo contra as americanas logo na estreia.

– Já tinha me preparado para isso antes de sair a tabela do campeonato. Isso tem sido uma constante desde o Grand Prix e a Copa do Mundo. O país organizador tem direito de escolher dois jogos, e o Japão tem sempre escolhido Brasil x Estados Unidos como o primeiro jogo.
Uma das armas brasileiras para a competição, Tandara espera duelos difíceis no Japão. Para ela, as rivais da Copa dos Campeões darão trabalho.

Leia também:  Cuiabá Arsenal faz vaquinha para viajar à semifinal no Nordeste

– Eu acho que são equipes complicadas. Não podemos dar nenhuma bobeira que eles estão espertos e, com certeza, querem vir para cima com toda vontade. Não tem jogo fácil. Vai ser matar ou morrer. É cada uma buscando seu objetivo. Vamos entrar fortes em cada jogo, mas, claro, se menosprezar o outro lado, porque cada um tem seu ponto forte.

Remanescentes

No Japão, serão cinco remanescentes da equipe que conquistou a Copa dos Campeões em 2005. Fabi, Fabiana, Sheilla, Carol Gattaz e Natália estavam no grupo. A líbero lembra com carinho da disputa.

– Aquele era um anos pós olímpico onde a China tinha sido campeã olímpica e era o time a ser batido. Tínhamos feito um ano onde ganhamos todos os campeonatos que disputamos. Chegamos aqui invictas. Vencemos alguns jogos por 3 sets a 2 e conseguimos uma grande virada sobre a China depois de estarmos perdendo por 2 sets a 0. Foi o ano que iniciou o ciclo que terminou com ouro olímpico em Pequim. Essa vai ser a minha quarta Copa dos Campeões. Foi uma festa. Encerramos um ano muito especial e era um ano de mudança com jogadoras jovens. Foi muito legal e tenho uma lembrança carinhosa dessa conquista – afirmou Fabi.

Leia também:  Jogador revelado pelo REC marca contra o Flamengo

A equipe brasileira que disputará a Copa dos Campeões é formada pelas levantadoras Fabíola e Claudinha, as centrais Adenízia, Fabiana, Carol Gattaz e Walewska, as ponteiras Fernanda Garay, Natália, Michelle e Tandara, as opostos Sheilla e Monique, e as líberos Camila Brait e Fabi.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.