Foto: reprodução/assessoria
Foto: reprodução/assessoria

Preocupado com as famílias de trabalhadores da agricultura familiar do Assentamento Juínão, no município de Juína, o deputado Ezequiel Fonseca (PP), se reuniu com os deputados Mauro Savi, Ademir Bruneto, Wagner Ramos e Dilmar Dal’Bosco e com os vereadores municipais a fim de solucionar o processo de regularização fundiária da localidade.

Pela terceira vez o Poder Judiciário baixou um decreto para que a área seja desapropriada. Conforme o presidente da Associação Vale do Juinão, Lindomar Costa Gomes, o conflito vivenciado por 140 famílias se arrasta há mais de oito anos.

“O governador se comprometeu a nos ajudar e nos apresentou um prazo de 60 dias, porém, não passou de conversa, precisamos de uma decisão definitiva, pois as famílias estão sofrendo com o descaso, estão todos desacreditados. São famílias de trabalhadores rurais comprometidos com o município”.

Leia também:  Por questões éticas advogado se recusa a continuar em defesa de Michel Temer

Segundo ele, os assentados estão disponíveis a pagar pela área em pequenas parcelas, pois será um investimento importante para a região. “Nesse momento queremos apenas o Decreto que dá o direito de posse, mas estão empurrando com a barriga”.

Participaram da reunião, os vereadores Valdemar Teixeira, Irene Fonseca, Sandro Candido, Antônio Munhoz, Nadilei Soares (Nádia), Geraldinho e Irmão Ilsinho

O deputado Ezequiel lembrou que durante a última reunião com o governador Silval Barbosa ficou definido que tudo se resolveria. “Isso levou as famílias a ficarem com expectativa, mas nada aconteceu. Acredito que o parecer precisa sair da Procuradoria Geral do Estado, ou que seja procurado outro caminho a fim de resolver o impasse”.

Leia também:  PMDB pode analisar expulsão de ex-governador Silval Barbosa

Dilmar Dal’Bosco foi enfático ao afirmar que o governo não mantém com palavra. “O Estado está sendo omisso e a sociedade fica no prejuízo. Silval pode até ter vontade de ajudar, mas acaba atropelando e não cumpre. O certo seria ele não dar a palavra”.

O defensor público Air Praeiro fez um breve histórico do encaminhamento do processo. Por sua vez, o procurador do Estado, Iens, frisou que o caso da antiga Fazenda Taciana, na MT-170 (distante cerca de 20 km de Juína) está sendo tratado como uma questão social e de utilidade pública pelo governo. “Estarei buscando uma solução adequada para

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.