Escolas particulares paquistanesas têm sido impedidas de comprar um livro escrito pela jovem que se tornou um ícone da luta pelo direito à educação Malala Yousafzai, devido a seu ‘conteúdo anti-Paquistão e anti-Islã’, informou um alto funcionário este domingo.

‘Sim, nós proibimos o livro de Malala (‘Eu sou Malala’) porque traz um conteúdo contrário à ideologia do nosso país e aos valores islâmicos’, explicou à AFP Kashif Mirza, chefe da Federação de Escolas Particulares do Paquistão.

‘Não somos contra Malala. Ela é nossa filha e está confusa sobre seu livro. Seu pai pediu à editora para retirar os parágrafos sobre Salman Rushdie e escrever A Paz Esteja com Ele depois do nome do nosso Sagrado Profeta (Maomé)’, afirmou Mirza.

Leia também:  OMS alerta o crescimento de casos com resistência ao vírus HIV

O romancista britânico Salman Rushdie se tornou alvo de uma fatwa (lei islâmica) proferida no Irã, recomendando que fosse assassinado por supostamente blasfemar contra o Islã e o profeta Maomé em seu livro, ‘Os Versos Satânicos’.

A blasfêmia é um tema sensível também no Paquistão, onde é passível da pena de morte.

Mirza disse que cerca de 152 mil escolas particulares em todo o Paquistão se solidarizaram com Malala depois de ela ter sido baleada pelo talibã no vale do Swat (noroeste), no ano passado, mas afirmou que as visões que ela expressou em sua autobiografia não eram ‘aceitáveis’.

‘Nenhuma escola vai comprar ‘Eu sou Malala’ para sua biblioteca ou qualquer outra atividade extra-curricular no campus’, afirmou.

Leia também:  EUA quer que o Brasil e os demais países latinos rompam com Coreia do Norte

Ele negou ter havido qualquer ameaça ou pressão de grupos militantes à federação para que decidisse proibir o livro. No entanto, militantes talibãs ameaçaram atacar as livrarias que vendessem o livro de Malala.

Co-escrito com a jornalista britânica Christina Lamb, ‘Eu sou Malala: A História da Garota Que Defendeu o Direito à Educação e Foi Baleada Pelo Talibã’ narra o terror da jovem de 16 anos, quando dois homens armados entraram em seu ônibus escolar em 9 de outubro de 2012 e atiraram contra a sua cabeça.

O livro descreve a vida da menina sob a brutal dominação do talibã no vale do Swat, noroeste do Paquistão, em meados dos anos 2000, sugere sua ambição de ingressar na política paquistanesa e inclusive descreve o breve flerte de seu pai com o fundamentalismo islâmico quando jovem.

Leia também:  Tragédia com deslizamento de terra e enchente confirma mais de 300 mortes em Serra Leoa

O livro descreve, ainda, as chibatadas públicas aplicadas pelo talibã, sua proibição a TV, dança e música, e a decisão da família de deixar Swat junto com outros quase um milhão de paquistaneses em 2009, em meio a intensos combates entre militantes e o Exército paquistanês.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.